Da Redação JM Notícia 

Propaganda eleitoral de Amastha foi contestada na Justiça por Carlesse

Em decisão expedida no final da tarde desta terça-feira, 18 de setembro, a Justiça Eleitoral negou pedido liminar do governador-candidato Mauro Carlesse (PHS) e sua coligação para suspender o programa sobre o caos da saúde pública exibido no bloco noturno propaganda eleitoral gratuita segunda-feira por Carlos Amastha (PSB).

Com seis depoimentos reais, o programa mostrou quatro dramas de pessoas – inclusive uma que morreu – e seus familiares causados pela falta de atendimento na saúde. Apresentandocasos de quem há mais de sete anos para fazer uma cirurgia no joelho, bolsa intestinal não é retirada há uma e dois meses, criança que morreu após uma queimadura na mão por falta de UTI pediátrica em Gurupi, e uma vítima de acidente que aguarda há muito tempo por uma cirurgia, o programa contrapôs o discurso de Carlesse de que houve melhora na saúde e até fim das filas por cirurgias.

No seu pedido à Justiça Eleitoral, Carlesse tentou alegar que houve manipulação e que os problemas teriam sido causados por gestões anteriores a dele. No entanto, a Justiça não aceitou os argumentos, ressaltando que as críticas apresentadas são praxe no debate político. “Os representantes não questionam a veracidade dos depoimentos, mas sim a utilização de fatos anteriores à gestão do atual governador para embasar uma crítica negativa à saúde pública, em contraposição ao que o governador e candidato à reeleição supostamente fala. É o que se extrai da exordial e do contexto geral da mídia apresentada. As críticas apresentadas na propaganda eleitoral, buscando responsabilizar os governantes pela má-condução das atividades de governo, são inerentes ao debate eleitoral. No caso vertente, a priori, vislumbro apenas um típico discurso de oposição, ou seja, enquanto o governo enaltece seus feitos, seus adversários procuram demonstrar o contrário. Divulgar um fato ocorrido não pode ser considerado notícia falsa, e no caso a morte da criança ocorreu, e não vislumbro que está sendo imputada ao Representante”, ressalta a decisão da Justiça.

VEJA TAMBÉM
Farmacêuticos cobram de Amastha correção de distorções do "Carreira Justa"

Para ler a decisão da Justiça na íntegra, basta clicar aqui: http://apps.tre-to.jus.br/mural/api/1899/decisao/pje.

 

Reportagens sobre caos na saúde

Exibido no início da tarde de segunda-feira, o programa mostrando caos da saúde baseado em reportagens televisivas foi suspenso pela Justiça. A Coligação A Verdadeira Mudança, queapoia Amastha, vai recorrer, tendo em vista que não houve manipulação na apresentação das reportagens e os hospitais mostrados são estaduais ou passaram para a responsabilidade do Estado, como Colinas e Formoso do Araguaia.