Igreja desenvolve projeto ajudar a diminuir índices de suicídio no Brasil

De acordo com Centro de Valorização da Vida (CVV), 30 brasileiros cometem suicídio diariamente. A entidade atua de forma voluntária em território nacional há 56 anos e entende que uma das formas de levar o assunto para um debate mais amplo acontece através da conhecida campanha Setembro Amarelo. Nos EUA, os índices são piores. A taxa de suicídios aumentou em 30% desde a metade da década de 1990, de acordo com os Centros de Controle e Prevenção de Doenças. Na média, ocorrem 123 suicídios por dia no país, de acordo com a Fundação Americana para Prevenção do Suicídio

Igrejas cooperam no Brasil

Entre as muitas igrejas e Ong’s que atuam no país contra  suicídio, uma das que desenvolve um grande projeto é a Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ela atua neta área em oito países da América do Sul. Neste ano, o projeto Quebrando o Silêncio trata justamente deste tema, com conteúdos de orientação e apoio para quem pensa em suicídio e para familiares que precisam lidar com a dor da perda.

VEJA TAMBÉM
Homem desiste de suicídio e se converte a Jesus

Pastor Silas alerta sobre suicídio entre líderes cristãos: “pastor não deve andar sozinho”

Aumento do suicídio é fruto da secularização, diz pastor Max Lucado

Ministério lança aplicativo com ajuda espiritual para prevenção de suicídio

Melissa J. Pereau, é uma das especialistas do projeto e em entrevista ao porta Notícias Adventistas destacou que o diálogo pode ajudar a diminuir índices de suicídio.

“Certifique-se de não abordar a pessoa de forma crítica. Converse com a disposição de mostrar a sua própria vulnerabilidade e debilidade. Introduzir um ambiente amoroso e atencioso pode ajudá-lo melhor a falar sobre os pensamentos de suicídio ou dos sentimentos de depressão e ansiedade.”, alerta Melissa.

Melissa J. Pereau é apaixonada por ajudar as pessoas durante períodos críticos em suas vidas, sendo esse o motivo porque ela passa os dias trabalhando com pacientes que pensam em cometer suicídio ou que já o tentaram. Como diretora médica e psiquiatra no Centro de Medicina Comportamental da Universidade de Loma Linda, ela é diariamente confrontada com a realidade do suicídio e de como esse tópico, dentre outros sobre saúde mental, de alguma forma, afeta cada comunidade.

VEJA TAMBÉM
Número de vítimas de incendiário em MG sobe para 9

Você pode ver a entrevista completa dela com questões muito importantes no link abaixo:

Confira AQUI