Cristãos chineses rezam em uma igreja clandestina em Tianjin. (FOTO: REUTERS / KIM KYUNG-HOON)

Diante de uma repressão comunista em andamento, os pastores da China prometeram continuar pregando o Evangelho, mesmo que isso lhes custe a vida.

Aaron Ma, representante do Ministério de Portas Abertas na China, disse ao The Christian Post em um e-mail na quinta-feira que o grupo de vigilância já ouviu falar de um caso de queima da Bíblia no país.

“Neste caso, a autoridade confiscou pertences das igrejas (incluindo Bíblias) e queimou todas”, disse Ma.

O momento de perseguição, em que autoridades do Partido Comunista queimaram Bíblias e cruzes em Henan, foi capturado em vídeo e compartilhado on-line no início deste mês por ativistas, incluindo o presidente da ChinaAid, Bob Fu, cujo grupo monitora a perseguição de cristãos na China.

A preocupação também aumentou com os casos em que as autoridades estaduais têm forçado alguns cristãos a assinar documentos rejeitando sua fé.

Ma retransmitiu informações de pastores chineses locais que revelaram que as pessoas pressionadas a assinar tais documentos são estudantes do ensino médio.

VEJA TAMBÉM
Edir Macedo comenta morte de Marcelo Rezende e fala de vida eterna

Leia também

Para combater o crescimento do cristianismo, China fecha igreja e apreende Bíblias

China: cristãos ex-muçulmanos são levados para “centros de transformação da mente”

“Eles são tentados [e] ameaçados de não admitir sua fé cristã a fim de evitar problemas. Sua fé cristã está sendo desafiada e testada”, explicou o representante da Portas Abertas.

Quanto ao fardo que tais papéis de renúncia carregam, e se os crentes que os assinam são de fato considerados como tendo deixado o cristianismo, ele disse:

“Se eles deixariam a fé cristã dependeria de como seus pastores e irmãos e irmãs nas igrejas os guiam e encorajam a reconstruir sua fé.”

Medo

Ma explicou que, de um modo geral, os cristãos chineses, com exceção dos funcionários públicos, podem professar sua fé abertamente, mas notaram que isso depende da região e de quanto as restrições religiosas são impostas.

Ma disse que os cristãos chineses têm “tipos diferentes de medo”.

“Por exemplo, os pastores podem temer que seus crentes não sejam capazes de permanecer fortes sob esta onda de perseguição”, continuou ele.

VEJA TAMBÉM
Ana Paula Valadão doou toda a fortuna para projetos missionários

“Jovens Cristãos e seus pais sob a ameaça de serem tentados a renunciar à fé no papel provavelmente temem pelo seu futuro (antes dessa onda de perseguição, os cristãos jovens enfrentam muitas lutas sob essa sociedade materialista).”

Ele sugeriu que as igrejas podem manter um perfil discreto e evitar envolver as partes estrangeiras de forma significativa em seus ministérios, a fim de escapar de atrair a atenção das autoridades.

“Portas Abertas mobiliza nossos apoiadores a orarem para que as igrejas chinesas tenham sabedoria e força para lidar com a situação difícil”, acrescentou Ma.

Recentemente, algumas igrejas muito notáveis, incluindo Zion, a maior igreja protestante em Pequim, foram fechadas e acusadas pelas autoridades de manter “materiais promocionais ilegais”.

COMPARTILHAR