EXCLUSIVO|| Presidente da CGADB fala sobre as eleições presidenciais e faz revelações

O pastor José Wellington Bezerra da Costa, ex-presidente da Convenção Geral da Assembleia de Deus no Brasil, declarou na noite desta segunda-feira (1º) seu apoio ao candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro (PSL). A declaração foi feita no culto especial em comemoração ao seu aniversário do pastor José Wellington e de sua esposa Irmã Wanda Freire Costa. Após o anúncio, o JM Notícia entrou em contato com o atual presidente, o pastor José Wellington Junior, filho de JWBC, para saber mais detalhes e conferir se a convenção vai se posicionar oficialmente no primeiro turno das eleições 2018 que acontece no próximo domingo, 07.

Posição pessoal

O pastor Wellington Junior afirmou ao JM Notícia que seu pai manifestou sim o apoio ao candidato que lidera todas as pesquisas eleitorais, mas que sua manifestação se trata de uma preferência pessoal e não uma posição oficial da CGADB.

“Ontem durante o aniversário ele deu uma palavra e indicou qual é o candidato dele. Ele não oficializou o apoio, mas falou que o candidato dele é o Bolsonaro” afirmou.

CGADB não se posicionará

Sobre a posição oficial da convenção assembleiana , o líder da CGADB, pastor Wellington Júnior deixou claro que a entidade não tem candidato oficial, um dos motivos, segundo ele, foi a falta da aprovação unânime, pelos ministros, de um nome dentre os que disputam a cadeira do executivo nacional.

VEJA TAMBÉM
Propostas do Pastor Samuel Câmara para CGADB é publicada em Ebook para download

“A filosofia de cada um dos que se apresentaram não agradou muito a gente”, disse o pastor que revelou ainda que o conselho político da entidade até entrevistou boa parte dos candidatos, mas que não achou “algo meio equilibrado” em nenhum deles.

Saiba + Ex-presidente da CGADB declara apoio a Jair Bolsonaro

“Quando se parte para o radicalismo, ou de direita ou de esquerda, não é bom para o povo. A gente vai pensar naquele que pode ser ‘menos pior’ para o Brasil”, declarou o pastor.

Nomes

Dentre os que tinham mais chance de receber um eventual apoio da convenção estavam o ex-governador Geraldo Alckmin e Henrique Meirelles, porém os dois também foram descartados.

“Alckmin que era o que tinha mais um alinhamento conosco, mas não vingou. O que eu estava simpático era o Henrique Meirelles, mas ele não decolou. Então por estar toda essa dificuldade a convenção não tomou uma posição.”

Bolsonaro – o preferido

Bolsonaro candidato a presidente da República

Wellington Junior, porém, destacou que Jair Bolsonaro é o preferido da maioria dos líderes assembleianos no país. “A simpatia está voltada realmente ao Bolsonaro. A grande maioria da liderança evangélica no Brasil, principalmente assembleiana, está voltada para o Bolsonaro.”

VEJA TAMBÉM
Presidente Bolsonaro se reúne com Silas Malafaia e Conselho de Pastores hoje, 11

Sem segundo turno

No primeiro turno, conforme deixou claro o líder assembleiano, a convenção não vai se posicionar, mas ao ser questionado sobre uma eventual posição caso haja o segundo turno, o pastor torceu para que não haja segundo turno: “Posicionamento nós não temos ainda e, na verdade a gente até espera que não tenha segundo turno.”

Brasil em oração

Pastor Wellington Junior encerrou a entrevista ao JM Notícia lembrando da campanha nacional de oração lançada pela CGADB ainda no início de setembro.

“Estamos pedindo que o povo ore. A CGADB está coordenando uma campanha desde o dia 07 de setembro. São trinta dias de oração e vamos até o dia sete de outubro. Pedindo orientação ao Senhor para que Deus nos oriente a escolher alguém que não venha trazer mais dificuldades para nosso país.”

“Levando em consideração as eleições de outubro e a conjuntura atual, convocou as Assembleias de Deus no Brasil para a Campanha Nacional de Jejum e Oração”, dizia a nota do lançamento da campanha de oração que termina no dia das eleições, 07 de outubro.

Assembleia de Deus pode definir eleição no primeiro turno ao apoiar Bolsonaro