Da Redação JM Notícia

Pastor Danilo Bernassi esteve na Igreja Renascer por 18 anos, até não concordar com a posição política do líder, Estevam Hernandes

O pastor Danilo Bernassi, mais conhecido como Danilinho, foi expulso da Igreja Renascer em Cristo esta semana por se negar a apagar de suas redes sociais publicações contrárias ao candidato Jair Bolsonaro (PSL), que é apoiado pela igreja.

O JM Notícia teve acesso aos áudios onde o bispo Philip, superior ao Danilo, tenta convencê-lo a remover a postagem que criticava o candidato dizendo que o apóstolo Estevam Hernandes estaria incomodado com as publicações.

Danilo se negou e declarou que não concordava com a posição da igreja de apoiar o parlamentar do PSL. E chegou a enfrentar o bispo: “Eu apago as minhas, se vocês apagarem as suas de apoio ao candidato”.

Há 18 anos da Renascer, Danilinho era um dos principais líderes do O2, o grupo de jovens da igreja, ele ministrava na cidade de São Bernardo do Campo, no ABC Paulista, sendo conhecido por suas pregações e eventos evangelísticos. Em um dos áudios, ele ouve do bispo Philip que “bandido bom é bandido morto” e, bastante nervoso se posiciona: “Pra mim, bandido bom é bandido salvo”.

O terceiro áudio enviado para a redação do JM Notícia mostra o trecho do desligamento. Danilo se recusou a apagar as postagens e foi chamado para uma conversa presencial com Philip que volta a pedir para que o pastor volte atrás de sua postura política e aceite o posicionamento da igreja. Ao ouvir uma resposta negativa ele declara: “Você está desligado da Igreja Renascer”.

VEJA TAMBÉM
Bolsonaro teve 30 encontros com lideranças evangélicas desde que assumiu a Presidência

Questionamos o pastor sobre a postagem que desagradou o apóstolo e ele nos indicou duas delas que você confere a seguir. O perfil do pastor é privado no Instagram, mas tiramos um print das postagens.

Igreja fala em “desligado por estar na carne”

Recebemos ainda um quarto áudio, dessa vez do bispo Daniel Tenuta, se dirigindo a outros líderes de jovens para comentar o desligamento de Danilo. Ele diz que o pastor “não era um líder tão referencial assim” e que não foi expulso, mas sim desligado e que não foi por questões políticas, mas “porque ele estava na carne” por não aceitar ser corrigido pelo bispo Philip na questão de apagar as postagens.

Na noite desta sexta-feira (5) uma reunião de líderes seria marcada para discutir com a saída de Danilinho e as possíveis consequências que seu desligamento trará, pois ele conta com a admiração de muitas pessoas e se negou a entregar um imóvel onde ele ministrava e que foi entregue a ele pelo dono do imóvel.

VEJA TAMBÉM
Atrizes da Globo vão às ruas tentar convencer eleitor indeciso a não votar em Bolsonaro

Estevam Hernandes já criticou Bolsonaro

Durante a Marcha para Jesus de São Paulo, que aconteceu no mês de maio, Estevam Hernandes criticou Jair Bolsonaro e declarou que “alguns posicionamentos dele são antagônicos com os valores cristãos, como a força, talvez o ódio, algumas coisas mais extremistas”.

Bolsonaro esteve no evento organizado pela Igreja Renascer a convite de Magno Malta e foi por essa aliança entre Estevam e o senador capixaba que o apoio se confirmou.

Em um dos áudios gravados pelo pastor, é possível perceber que a denominação tem interesses políticos quando apoia um candidato. Philip cita que Marcelo Aguiar, deputado federal que é membro da igreja, conseguiu evitar que vários templos da denominação fossem fechados por conta de sua influência política. Os motivos para os fechamentos não foram especificados na conversa.

Tentamos contato com a assessoria da Renascer, mas não recebemos retorno até o fechamento desta edição.