“O nosso compromisso, a nossa plataforma, a nossa bandeira, baseia-se em João 8:32: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”

Jair Bolsonaro começou sua entrevista ao Jornal Nacional agradecendo por seus quase 50 milhões de votos e citando o Evangelho de João 8:32 (“conhecereis a verdade e a verdade vos libertará”).

Durante a entrevista, concedida ao apresentador William Bonner, ele também destacou a “família brasileira” nos seus agradecimentos e defendeu a “inocência da criança em sala de aula”, um de seus principais pontos de campanha.

“O nosso compromisso, a nossa plataforma, a nossa bandeira, baseia-se em João 8:32: “E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará”. Meu muito obrigado as lideranças evangélicas, ao homem do campo, quer seja do agronegócio, quer seja da agricultura familiar, obrigado caminhoneiros, obrigado policiais civis e militares, integrantes das Forças Armadas, obrigado família brasileira, que tanto clama para que seus valores sejam respeitados e, mais ainda, que a inocência da criança em sala de aula esteja acima de tudo. Então, meu muito obrigado, em especial, a região Nordeste que, apesar de eu ter perdido lá, nunca alguém que fez oposição do PT teve uma votação tão expressiva como eu tive. “

VEJA TAMBÉM
Bolsonaro se filia ao PSC e é lançado como pré-candidato à Presidência

Pastores são criticados por declararem apoio a Jair Bolsonaro

Campeão do primeiro turno

O candidato do PSL à Presidência, Jair Bolsonaro, comemorou na noite deste domingo (7) o resultado do primeiro turno da eleição. Ele disputará o segundo turno com o candidato do PT, Fernando Haddad.

Numa transmissão ao vivo no Facebook ao lado do economista Paulo Guedes, disse que, se for eleito, unirá o país.

Por voto evangélico, Haddad fala em Deus pela primeira vez na TV e ataca Bolsonaro

“O agradecimento que faço é a todos os brasileiros, ganhamos em quatro regiões. Perdemos no Nordeste, mas nossa votação no Nordeste foi muito boa e tenho certeza que Deus ajudará por ocasião do segundo turno”, afirmou Bolsonaro.