Da Redação JM Notícia 

Dos 11 partidos que não tiveram êxito na eleição presidencial, sete resolveram adotar neutralidade e não apoiarão nem Jair Bolsonaro (PSL), nem Fernando Haddad (PT) no segundo turno.

O PSDB, que alcançou o quarto lugar em número de votos, resolveu não apoiar nenhum dos dois nomes.  “Não apoiaremos nem o PT nem o candidato Bolsonaro. O PSDB decidiu liberar seus militantes e seus líderes”, disse Geraldo Alckmin.

O Partido Novo declarou que “é absolutamente contra o PT”, mesmo assim, preferiram não declarar apoio  a Bolsonaro. “O cenário presidencial não é o que desejávamos. Manteremos nossa coerência e nossa contribuição à sociedade se dará através da atuação da nossa bancada eleita, alinha com nossos princípios e valores. Mesmo declarando neutralidade o partido faz questão de enfatizar que seus integrantes são ‘absolutamente contrários ao PT’ que dizem ter ideias e práticas opostas às defendidas pela legenda”, disse João Amoedo.

Cabo Daciolo (Patriota) também prefere se manter neutro enquanto aguarda o julgamento do pedido de anulação do primeiro turno que ele protocolou no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).  “Só faço aliança com Jesus Cristo, comigo não tem menos pior. Não fecho nem com um lado que é Maçonaria, nem com outro lado que é comunismo. Tá repreendido, a nação vai ser liberta”, disse o deputado.

VEJA TAMBÉM
Laurez Moreira defende nome de Ataídes Oliveira como pré-candidato ao Palácio Araguaia

Também assumiram a neutralidade o MDB, de Henrique Meirelles, o Rede, de Marina Silva,  o Podemos, de Álvaro Dias, e o DC de Eymael. O DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade também estarão neutros.

Fernando Haddad tem apoio do PDT, de Ciro Gomes, do PSOL, de Guilherme Boulos, e do PPL, de Goulart Filho. O PSB também apoia o candidato do PT.

Bolsonaro, até o momento, só conseguiu o apoio do PTB que no primeiro turno apoiava Geraldo Alckmin. Roberto Jefferson, disse que a legenda acredita nas propostas do direitista. “O PTB acredita que as propostas de Bolsonaro visam um Brasil com mais empregos e melhoria de renda aos trabalhadores; com menos impostos e menos gastos públicos; e que respeite nossos municípios e nossas crianças, proporcionando a elas educação de verdade e com qualidade. Dentre outros, são projetos que objetivam um país eficiente e competitivo”.

O PV e o PSTU ainda não se manifestaram.