Da Redação JM Notícia

Hauwa Liam tinha 24 anos, era parteira e estava na universidade cursando educação para a saúde

Nesta segunda-feira (15) a agência de notícias on-line The Cable relatou, através do jornalista Ahmed Salkida, que uma funcionária da Cruz Vermelha, identificada como Hauwa Liam, foi executada pelos terroristas do Boko Haram.

Segundo os relatos do jornalista, ele viu o vídeo onde a jovem aparece ajoelhada, vestida com um hijab branco com um brasão. Ela foi alvejada a uma pequena distância.

O grupo terrorista sequestrou três funcionárias da Cruz Vermelha no mês de setembro, e no domingo (14) deram um prazo de 24 horas para executar a jovem que, juntamente com outras duas voluntárias sequestradas, trabalhava na cidade nigeriana de Rann.

Em setembro o grupo executou Saifura Hussaini Ahmed Khorsa e justificaram a morte dessas duas reféns dizendo que elas são “infiéis” por terem nascido muçulmanas e abandonarem a religião para trabalhar com a Cruz Vermelha, que é uma entidade cristã. Já a terceira refém, Alice Loksha Ngaddah, eles ameaçam fazer dela uma estrava perpétua, pois ela é cristã e trabalha para a UNICEF.

VEJA TAMBÉM
Victor Moses, da Seleção da Nigéria, é filho de cristãos perseguidos

“A partir de hoje elas são nossas escravas. Com base em nossas doutrinas, agora é legal para nós fazermos o que quisermos com elas”, afirmou o Boko Haram. Eles ainda mantêm a jovem de 15 anos Leah Sharibu como refém e fazem ameaças constantes de matá-la. Ela foi sequestrada em fevereiro junto com outras meninas de Dapchi, mas por não aceitar desistir da fé cristã, foi mantida em cativeiro.