Da Redação JM

Escritor, Gutierres Siqueira alertou para perigo do fervor evangelístico nas igrejas pentecostais do Brasil. Foto: Reprodução

Em entrevista a jornalista  Roberta Marassi para o programa Geração JC da TV CPAD, o teólogo e escritor pentecostal Gutierres Siqueira, editor do portal Teologia Pentecostal, falou sobre os jovens pentecostais e os desafios que estes enfrentam na construção da identidade pentecostal no tempo atual.

Autor do livro “Revestidos de Poder: Uma Introdução à Teologia Pentecostal”, publicado pela CPAD, Gutierres disse que “é essencial que o jovem dessa nova geração assembleiana seja muito diligente em buscar sua identidade teológica. Não estou falando de identidade de costumes, tradições, pois isso tudo passa, muda de região para região. Mas a identidade teológica, somos pentecostais…e precisamos como jovens assumir essa responsabilidade“.

Quando questionado sobre a questão da necessidade da igreja pentecostal no Brasil buscar o revestimento do poder, Gutierres mostrou o que muitos líderes já, tristemente, vivenciam, uma apatia de seus membros na questão evangelística causada por falta desse avivamento que se deve ter no meio pentecostal.

Pastor faz chamada urgente para o evangelismo: “enquanto ainda temos tempo”

VEJA TAMBÉM
Pastores assembleianos tentam impedir Augustus Nicodemus em evento da CPAD, denuncia blogueiro

A Bíblia trata esse tema, especialmente em Lucas, tanto no Evangelho como no livro de Atos no sentido de revestimento de poder para testemunho…não é apenas para uma experiência sensorial, mística, nada disso. É justamente para que eu tenha uma ferramenta vinda do alto, uma coragem que não é minha de testemunhar do Evangelho“, disse.

Para ele, o fervor evangelístico tem diminuído nas nossas igrejas. “Há igrejas que tem seis meses que não produzem um evangelismo numa praça, nada!“, lamentou.

Reconhecido e respeitado em todo cenário pentecostal no país, e também fora dele, Gutierres ainda alertou que essa problemática tem origem também a partir do púlpitos pentecostais, pois as pregações sobre essa temática tem sido retiradas dos altares.

Isso coincide com a falta da pregação sobre no batismo no Espírito Santo. Se a gente voltar a essa raiz pentecostal de enfatizar ‘eu preciso buscar o poder do alto’, não o poder pelo poder, mas o poder para testemunhar do Evangelho, a gente vai voltar a ser uma igreja mais crescente, mais dinâmica, como a gente sempre foi na nossa história“.

VEJA TAMBÉM
Livro "Pentecostalismo na esfera pública" revela influência pentecostal na política do país desde 1930

Assista a entrevista: