Da Redação JM Notícia 

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos EUA propôs alterar uma lei federal de Barack Obama que garantiu direitos civis a 1,4 milhão de transgêneros.

O objetivo do órgão é definir gênero como uma condição biológica e imutável definida de acordo com a genitália no momento do nascimento, não mais como uma escolha do indivíduo.

Defendendo suas ideias, o órgão diz que as agências federais precisam adotar uma definição de gênero explícita e uniforme conforme determinada “em uma base biológica clara, fundamentada na ciência, objetiva e administrativa”.

Se for necessário uma disputa para definir o gênero de uma pessoa, usarão testes genéticos.

Na visão do órgão, agora controlado pelo Governo de Donald Trump, Obama concedeu direitos a quem não deveria tê-los, pois o termo “sexo” nunca teve a intenção de incluir identidade de gênero ou mesmo homossexualidade, pois são questões diferentes.

“Sexo significa o status de uma pessoa como masculino ou feminino com base em traços biológicos imutáveis identificados no nascimento ou antes dele”, diz o departamento. Com informações Estadão