Pastor afastado da Igreja Batista de Tocantínia afirma que é vítima de perseguição

Por nota, pastor diz que nunca proibiu mulheres de subirem no altar e que o problema dos fiéis é político e doutrinário

Da Redação JM Notícia

Primeira Igreja Batista em Tocantínia

O pastor Fagner Rodrigues Pereira, que foi afastado da Igreja Batista de Tocantínia por decisão judicial, entrou em contato com o JM Notícia para dar sua versão sobre os fatos.
Enquanto os fiéis o acusam de realizar mudanças no Estatuto e proibir mulheres de subirem no altar, o religioso diz que está sendo vítima de perseguição por parte de cinco membros da igreja.

“Queremos expôs que o Pastor Fagner Rodrigues Pereira, está sendo vítima e penalizado de acusações inverídicas, caluniosas, de má fé e sem provas contextuais. O fato é que a ação movida, na verdade por cinco ex-membros, se trata de uma perseguição orquestrada contra o pastor, de cunho ideológico político, pelo ensino bíblico referentes aos papéis do homem e da mulher na família e na sociedade, como também se trata de uma retaliação, devido ao pedido de desligamento da Igreja Batista de Tocantínia da Convenção Batista do Tocantins em Dezembro de 2017″, diz a nota enviada ao nosso site.

VEJA TAMBÉM
Pr. Milton Gomes assume a presidência da Ordem de Pastores Batistas do TO

Os representantes do pastor declaram também que “em nenhum momento, ocorreu no seio da igreja atitudes de inferiorização da mulher. Pelo contrário, temos provas documentais e oculares que mulheres ocupam cargos na diretoria estatutária, como também são líderes em vários ministérios na igreja, as quais, trabalham ativamente e diretamente com o pastor em todas as atividades da igreja. Esclarecemos também que nunca houve em anos anteriores mudança no estatuto, nem na doutrina da igreja, uma vez que, sempre fomos fiéis a Declaração Doutrinária de fé dos Batistas”.

Ainda segundo a nota, uma assembleia regular foi realizada para decidir sobre a permanência desses cinco membros que se levantaram contra o pastor e, por ser uma igreja autônoma e soberana, composta por cerca de 100 membros, foi decidido pelo desligamento dos mesmos.

O processo judicial, segundo a nota, seria uma retaliação à disciplina aplicada pela assembleia feita seguindo o Estatuto vigente da denominação.