Da Redação JM

MP não gostou de Ana Caroline despertar os jovens para que estes denunciem a doutrinação política dentro das escolas

O Ministério Público de Santa Catarina (MPSC) entrou na Justiça com ação civil pública nesta terça-feira (30) contra a deputada estadual eleita Ana Caroline Campagnolo (PSL). O órgão quer a condenação por danos morais coletivos e pede que seja dada liminar (decisão temporária) para que ela se “abstenha de manter qualquer tipo de controle ideológico das atividades dos professores e alunos de escolas públicas e privadas do estado”.

O MP não gostou de Ana Caroline despertar os jovens para que estes denunciem a doutrinação política dentro das escolas.

Deputada estadual eleita pelo PSL em Santa Catarina, Ana Carolina Campagnolo publicou em seu Facebook uma mensagem aos estudantes catarinenses orientando que eles filmem e denunciem professores doutrinadores em sala de aula.

Projeto Escola Sem Partido faz militantes de esquerda e direita se enfrentarem na Câmara de SP

“Segunda-feira, 29 de outubro, é o dia em que os professores doutrinadores estarão inconformados e revoltados.”, disse em referência a vitória de Jair Messias Bolsonaro, novo Presidente da República.

VEJA TAMBÉM
Marisa Lobo entrevista Miguel Nagib, autor do projeto Escola Sem Partido

“Muitos deles não conterão sua ira e farão da sala de aula um auditório cativo para suas queixas político partidárias em virtude da vitória de Bolsonaro. Filme ou grave todas as manifestações político-partidárias ou ideológica (SIC)”, escreveu Ana, que garantiu anonimato aos estudantes.

Ministério Público

No pedido de liminar enviado nesta terça, o MPSC pede à Justiça ainda que a deputada eleita seja obrigada a retirar das redes sociais o post que motivou a ação civil pública e que a operadora de celular bloqueie o número divulgado pela parlamentar para o envio das manifestações.

Ana, que leciona história, ficou conhecida por ter processado por perseguição ideológica uma professora da Udesc, Marlene de Fáveri, sua ex-orientadora de mestrado.

Filha de um Policial Militar da reserva, cristã, professora de história do município de Chapecó, oeste de Santa Catarina, Campagnolo é graduada pela Universidade Comunitária Regional de Chapecó e foi eleita em 2018 como deputada estadual.

No vídeo abaixo, ela participa, no início de 2017, de uma audiência pública sobre o tema Escola sem Partido e mostrou como ocorre a doutrinação nas escolas, pois ela mesma foi vítima disso.

VEJA TAMBÉM
Parlamentares de esquerda obstruem votação do projeto Escola Sem Partido