Da Redação JM

O juiz federal Marcelo Bretas, da 7ª Vara Criminal do Rio, parabenizou o colega Sérgio Moro após ele ter comunicado que aceitou o convite de Jair Bolsonaro para ser o novo Ministro da Justiça.

“Ao colega e amigo Sérgio Moro, desejo sucesso. Competência profissional e dignidade pessoal não lhe faltam para exercer as maiores funções em nossa República. Minhas orações para que Deus lhe dê sabedoria para superar os novos desafios, paz e felicidade a toda sua família.”, disse Bretas no twitter.

Bretas é conhecido pelo seu perfil semelhante ao de Sérgio Moro, julgando com seriedade e justiça, fato que lhe deu projeção nacional diante da opinião pública.

Moro Ministro

juiz federal Sergio Moro esteve no Rio de Janeiro nesta quinta-feira (1º) para se encontrar com o presidente eleito Jair Bolsonaro, onde recebeu oficialmente o convite para ser o ministro da Justiça.

Após a reunião, Moro, que comanda as investigações da Operação Lava Jato, declarou à imprensa que aceitou o contive. “Após reunião pessoal, na qual foram discutidas políticas para a pasta, aceitei o honrado convite”, disse Moro.

VEJA TAMBÉM
Gabriela Hardt, a substituta de Moro, nega pedido de adiamento de audiência feito pela defesa de Lula

+ Petistas colocam “Lula” nos nomes e opositores escolhem “Moro”

Com 22 anos de carreira, o juiz federal lamentou deixar para traz o seu trabalho como magistrado. “No entanto, a perspectiva de implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado, com respeito à Constituição, à lei e aos direitos, levaram-me a tomar esta decisão. Para ele, na prática o cargo significa “consolidar os avanços contra o crime e a corrupção e afastar riscos de retrocessos por um bem maior”.

Bolsonaro declarou que o nome do juiz federal foi escolhido por ele devido aos trabalhos em combate a corrupção. “Sua agenda anticorrupção, anticrime organizado, bem como o respeito à Constituição e às leis será o nosso norte”, afirmou Bolsonaro através de suas redes sociais.

O presidente eleito também anunciou a fusão das pastas da Justiça e da Segurança Pública. Decisão que, juntamente com a fusão de outros ministérios, visa reduzir os gastos do governo federal.