Da Redação JM Notícia 

Vereador Filipe Fernandes (DC)

O vereador Filipe Fernandes (DC) usou o plenário da Câmara Municipal de Palmas para criticar a BRK Ambiental, empresa responsável pela distribuição de água e esgotamento da Capital.

O parlamentar apresentou um requerimento cobrando informações sobre a empresa e pediu aos seus pares que o apoiassem a cobrar outros órgãos para que, juntos, possam investigar as ações da empresa em Palmas, sobretudo as altas taxas cobradas dos consumidores.

“A Polícia de Palmas não mais da conta de pagar a tarifa de 80% que é a taxa de esgoto desta cidade. Cheguei a conclusão de que nós estamos ultrapassados em relação a municípios menores. Em Tocantinópolis, eles fizeram uma alteração na lei orgânica estipulando o valor da tarifa de saneamento para que ela não ultrapasse os 50%”, declarou.

Filipe Fernandes disse que está disposto a entrar em uma briga contra a empresa que já foi convidada a prestar esclarecimentos na Câmara,  mas não enviou nenhum representante.

“A Câmara pode solicitar a rescisão desse contrato, pode reduzir essas tarifas e hoje formalizei um requerimento que requer, em regime de urgência,  a cópia do contrato e da planilha de custos”, afirmou Fernandes.

VEJA TAMBÉM
Mauro Carlesse se reúne com moradores da região norte de Palmas

O vereador Milton Neris (PP) concordou com a ação do seu colega e afirmou que já conseguiu a cópia do contrato,  criticando, porém,  a falta de informações sobre os custos da empresa, documento que nenhum órgão fiscalizador ou a Prefeitura possuem. “Não dá mais para permitir que a sociedade pague sem saber o que está pagando”, disse.

O vereador Tiago Andrino (PSB) lamentou a ausência da BRK na audiência pública realizada na Câmara sobre os esgotos lançados na Praia das Arnos e sobre o mau-cheiro causado pela estação de tratamento em Bertaville.

O vereador Marilon Barbosa (PSB), concordou em voltar a convidar a empresa para prestar esclarecimentos e o vereador Diogo Fernandes (PSD) sugeriu a possibilidade de criar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar a fundo a empresa, o contrato e as taxas, para então pedir a rescisão do contrato.