Da redação JM

Uma grande perda para a comunidade evangélica em todo o mundo aconteceu neste final de semana: faleceu Grant R. Osborne. Renomado teólogo americano e estudioso do Novo Testamento, Osborne era professor de Novo Testamento no Trinity Evangelical Divinity School, Deerfield, em Illinois. Ele nasceu 7 de julho de 1942 em Nova York (EUA).

O comunicado da partida de Osborne foi feita no Brasil pelo escritor e teólogo assembleiano Gutierres Siqueira em suas redes sociais. Siqueira destacou que o teólogo americano  foi um grande erudito em hermenêutica e Novo Testamento e que deixou um legado incrível.

Destaco o livro “A Espiral Hermenêutica” (Vida Nova), uma das melhores respostas à hermenêutica pós-moderna. Ele ficou conhecido aqui no Brasil por essa obra“, informou Gutierres.

Morre o evangelista americano Billy Graham, aos 99 anos

Nos comentários, vários outros pastores, teólogos e estudantes de teologia lamentaram e manifestaram pesar pela morte de Osborne.

Uma perda inestimável!“, lamentou um internauta;

Fiquei chocado com essa perda para o mundo teológico. Mas certamente o céu está em festa.“, disse outro.

VEJA TAMBÉM
Tempestade de raios mata 65 pessoas em Bangladesh

“O fervor evangelístico tem diminuído em nossas igrejas”, alerta teólogo assembleiano

Legado arminiano

Mesmo tendo contribuído para a teologia de uma forma geral, Grant R. Osborne, no entender de Gutierres Siqueira, deixou um legado especial à corrente teológica arminianista.

Para mim o seu legado estende especialmente ao arminianismo. Osborne colaborou com o livro “Four Views on the Warning Passages in Hebrews” onde fez uma bela defesa exegética sobre a possibilidade da apostasia. Além disso, o seu artigo “Notas Exegéticas sobre Textos Calvinistas” no livro “Graça para Todos” (Editora Reflexão), editado pelo Clark Pinnock, em sua fase ortodoxa, é uma bela peça crítica ao malefício do texto-chave para a boa interpretação das Escrituras. Em português ainda temos o livro “Faces do Novo Testamento” (CPAD), editado por ele e pelo Scot McKnight e o “Comentário do Apocalipse” (Vida Nova).“, ressaltou o escritor pentecostal.