Da Redação JM Notícia

Ao contrário da maioria das igrejas protestantes, a Igreja Presbiteriana batiza crianças em um ritual muito parecido com o realizado pela Igreja Católica Apostólica Romana. O reverendo Augustus Nicodemus Lopes, que está à frente da Igreja Presbiteriana de Recife, explicou em suas redes sociais os motivos que levam a sua denominação a batizar crianças.

Na visão do pastor, o batismo de crianças remonta ao tempo do Antigo Testamento e tal tradição, para ele, não foi abolida no Novo Testamento, pois trata de “incluir os filhos dos fiéis na aliança de Deus com o seu povo”.

“Batizei meus filhos crendo que, através desse rito iniciatório, eles passaram a fazer parte da Igreja visível de Cristo aqui na terra. Minha crença sé baseia no fato de que, quando Deus fez um pacto com Abraão, incluiu seus filhos na aliança, e determinou que fossem todos circuncidados (Gn. 17.1-14). A circuncisão, na verdade, era o selo da fé que Abraão tinha (ver Rm 4-3,11 com Gn 15.6), mas, mesmo assim, Deus determinou-lhe que circuncidasse Ismael e, mais tarde, Isaque, antes de completar duas semanas (Gn. 21.4)”, explicou.

VEJA TAMBÉM
Igrejas da AD em Alagoas ficarão fechadas no dia de eleição

“Estou persuadido de que a Igreja cristã é a continuação da Igreja do Antigo Testamento. Símbolos e rituais mudaram, mas é a mesma Igreja, o mesmo povo. O Sábado tomou-se em Domingo, a Páscoa, em Ceia, e a circuncisão, em batismo”, completou.

A falta de textos no Novo Testamento que indique o batismo infantil faz com que muitos protestantes questionem a prática, mas para a Igreja Presbiteriana o ensino do Antigo Testamento é válido. “Não há nenhuma proibição apostólica quanto a isso”.

Para explicar corretamente o assunto, o reverendo compartilhou um vídeo de sua ministração onde ele fala sobre o batismo de crianças. Assista: