Da Redação JM

O suicídio é considerado um problema de saúde pública e mata 1 brasileiro a cada 45 minutos e 1 pessoa a cada 45 segundos em todo o mundo. Pelos números oficiais, são 32 brasileiros mortos por dia, taxa superior às vítimas da AIDS e da maioria dos tipos de câncer. Pelo menos o triplo de pessoas tentaram tirar a própria vida e outras chegaram a pensar em suicídio. Apesar de números tão alarmantes, o assunto ainda é tratado como tabu. Evita-se o assunto, o que só colabora para seu aumento dos casos, pois as pessoas muitas vezes não sabem que podem procurar ajuda.

O tema também atinge diretamente as igrejas. O número de cristãos e até mesmo de líderes que decidem tirar a própria vida tem feito que as igrejas desenvolvam muito mais ações preventivas contra o suicídio.

+ “Quebrando o silêncio”: Projeto cristão ajuda diminuir índices de suicídio no Brasil

Em 2013, o Clergy Health Initiative (CHI), divulgou o relatório de uma pesquisa que constatou que os pastores com depressão chegaram a 8,7% do total de entrevistados, e os casos de ansiedade a 11,1%. A média das demais ocupações para ambos os casos nos Estados Unidos é de 5,5%, por exemplo.

VEJA TAMBÉM
Líderes evangélicos emitem Nota contra "guerra" teológica entre Calvinistas e Arminianos

+ “Suicídio de pastor serve como um sério alerta para nós pastores”, diz pastor Josué Gonçalves

Não há pesquisas sobre o assunto no Brasil, mas os casos de suicídio começaram a aumentar nos últimos meses, levando diversas denominações a procurarem por formas de tratar o assunto a fim de ajudar os pastores e trabalhar na prevenção e tratamento de problemas emocionais.

Falta de refúgio

No vídeo abaixo, durante trecho de um sermão, o pastor Wilson Porte mostra qual é motivo principal das pessoas que decidem tirar suas próprias vidas.

Assista:

 

SAIBA+ Livro “Pentecostalismo na esfera pública” revela influência pentecostal na política do país desde 1930

COMPARTILHAR