Da Redação JM Notícia

Pastor Antonio Rocquemore, do Ministério Internacional Power House, em Chicago, Illinois (EUA)

O pastor Antonio Rocquemore, do Ministério Internacional Power House, em Chicago, Illinois (EUA), está sendo perseguido por militantes LGBT da região por ter repreendido um fiel de sua igreja que foi ao culto vestido de mulher.

A bronca pública foi compartilhada nas redes sociais, pois o culto era gravado, gerando grande repercussão. No vídeo, o pastor diz ao fiel: “Você pode deixar a minha igreja e colocar roupas de homem?”, questionou o pastor que continuou: “E não venha mais assim. O que você faz lá fora é da sua conta, mas não vou deixá-lo vir assim aqui”.

Os críticos do pastor dizem que este tipo de comentário faz pessoas trans se suicidarem por não se sentirem aceitas na sociedade. Um formador de opinião chamado Christian James Lhuillier foi incisivo ao criticar o pastor.

“Alguns de vocês vão ter que desculpar meus termos, mas eu estou cansado dessa merda. Em um lugar que deveria ser um lugar de mudança, um lugar de libertação, seja lá o que você quiser chamá-lo, por que você destrói alguém na frente de uma sala cheia de pessoas?”, criticou.

VEJA TAMBÉM
8º Seminário de Liberdade Espiritual acontece de 27 a 29 de julho no Espaço Sibapa

Em outro momento da postagem feita no Facebook Lhuillier diz ainda que conhecem muitas drags queens capazes de curar uma pessoa, mais do que pastores que pedem ofertas.

Pastor diz que fiel descumpriu promessa: “Ele me desafiou”

Ao comentar a repercussão de sua atitude, o pastor Rocquemore disse que não expulsou o homem da igreja. “Ele não foi expulso da igreja porque era gay. Primeiro de tudo, eu não defino nada. Eu não separo o pecado. O pecado é pecado. Não há necessidade de destruir um ou outro se você está pregando Palavra”, disse.

Todavia, ele declarou que a igreja possui regras e que elas devem ser respeitadas por todos. “Quando você se junta à minha igreja, todas as regras e regulamentos são contados a você. Se você alguma vez escorregar [sobre as regras] nós ainda falaremos com você em particular e passaremos por cima deles novamente. Essa situação, em particular esse jovem, foi conversada várias vezes em particular. Eu fui pessoalmente a ele”, explicou o pastor.

VEJA TAMBÉM
AD celebra 100 anos no Amapá e governo decreta ponto facultativo

Ou seja, não foi a primeira vez que o homem foi ao culto vestido de mulher. Em uma das conversas sobre o assunto, segundo o pastor, o homem concordou em não mais se apresentar com trajes femininos.

O pastor ficou desapontado ao vê-lo quebrar a promessa que fora feita. “Ele me desafiou publicamente e eu o desafiei de volta publicamente. Pedi ao jovem para sair. Não havia segurança tirando ele”, encerrou o pastor. Com informações Christian Post

https://www.facebook.com/LarryReidLive/videos/567787237007419/