Dezenas de cristãos foram massacrados durante confrontos na semana passada na República Centro-Africana

Dois padres, um dos quais foi queimado até a morte, e dezenas de cristãos foram massacrados durante confrontos na semana passada na República Centro-Africana.

Um dos ataques aconteceu na quinta-feira em uma missão católica em Alindao, com mais de 20 mil refugiados sendo abrigados sendo forçados a fugir, segundo a Reuters . 

“Nós contamos 42 corpos até agora, mas ainda estamos procurando por outros. O campo foi incendiado e as pessoas fugiram para o mato e para outros acampamentos de deslocados internos na cidade ”, disse o legislador de Alindao, Etienne Godenaha.

Missionário africano é destaque em Conferência sobre o Espírito Santo em Palmas

A AFP informou que uma das vítimas foi um padre que foi queimado até a morte, embora seu nome não tenha sido fornecido imediatamente. O padre Mathieu Bondobo, vigário-geral da principal catedral da capital, Bangui, confirmou: “Encontramos seu corpo carbonizado”.

A violência, segundo a AFP, foi desencadeada por milicianos cristãos que mataram muçulmanos na quinta-feira, que provocaram ataques de vingança, incluindo uma igreja sendo queimada.

A ONU, cuja base também foi atacada, disse que o grupo armado responsável pelos ataques é chamado Siriri, que aparentemente foi criado por pastores de gado Fulani, muitos dos quais são muçulmanos.

Jovem pede demissão em uma multinacional para servir a Deus na África: “faria tudo de novo”

O Vaticano confirmou que pelo menos dois padres foram mortos nos confrontos, segundo comentários do Papa Francisco no domingo.

Um menino caminha em um acampamento que abriga deslocados internos (IDPs) ao lado do aeroporto internacional M’Poko em Bangui, República Centro-Africana, em 13 de fevereiro de 2016. | (FOTO: REUTERS / SIEGFRIED MODOLA)

“Com tristeza, soube do massacre que ocorreu há dois dias em um acampamento para deslocados na República Centro-Africana, no qual dois padres também foram mortos”, disse Francisco no domingo na Praça de São Pedro, durante a Oração do Angelus. 

“Oremos pelos mortos e pelos feridos e rezemos para que a violência cesse naquele amado país que precisa muito de paz”.

Najat Rochdi, coordenador humanitário da ONU no CAR, condenou a violência em Alindao, que é vista como uma fortaleza para a milícia muçulmana. Pelo menos dois soldados da ONU e um humanitário foram mortos nos últimos meses.

“Este ciclo vicioso de repetidos ataques contra civis é inaceitável. Os civis querem segurança, paz e um futuro”, disse Rochdi.

O CAR tem visto esses ciclos de violência se repetirem desde o início de uma guerra civil em 2013, quando principalmente os rebeldes muçulmanos Seleka derrubaram o presidente François Bozize, um cristão.

Em julho, o padre Firmin Gbagoua, o vigário geral da diocese de Bambari, foi morto a tiros enquanto jantava. A instituição de caridade católica Aid to the Church in Need observou na época que o clérigo foi morto a curta distância pela milícia que se chamava União pela Paz no CAR.

“Pedimos ao governo e à MINUSCA (Missão de Estabilização Multidimensional Integrada das Nações Unidas na República Centro-Africana) que coordenem seus esforços para que os responsáveis ​​por esses assassinatos sejam presos e levados à justiça”, declarou a Conferência dos Bispos da África Central. .

“Quem é que toda essa violência contra a Igreja Católica da África Central se beneficia?” eles perguntaram.

Com informações Christian Post