O vermelho dos mártires iluminará Veneza. Foto: Ajuda à Igreja Que Sofre (ACN)

O projeto “Venezia in rosso” (Veneza em vermelho) iluminará de vermelho esta terça-feira 20 de novembro vários monumentos e canais desta cidade italiana em memória dos mártires cristãos do passado mas de maneira especial do presente.

O evento estará dedicado, de forma especial, a Ásia Bibi, a mãe cristã paquistanesa encarcerada durante 9 anos acusada de blasfemar contra o islã. Apesar de ter sido condenada à morte, um tribunal lhe concedeu a absolvição neste último 31 de outubro.

Sua história se converteu em um símbolo na luta contra a perseguição religiosa, contra a cristãofobia e em favor da liberdade religiosa no mundo.

O Papa Francisco disse que deseja que esta iniciativa “suscite a devida atenção por parte de todos perante o grave problema da discriminação que os cristãos sofrem em tantas partes do mundo”.

Na mensagem, mandada pelo Secretário de estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin, da parte do Pontífice, o Papa dirige também “sua afetuosa saudação” aos jovens que farão parte da tradicional peregrinação diocesana à Basílica de Santa Maria da Saúde que este ano também participará da iniciativa da Venezia in rosso”.

VEJA TAMBÉM
Estado Islâmico ameaça matar o Papa Francisco: "Nós estaremos em Roma"

“Venezia in rosso” começará às 6,15 p.m. (hora da Itália) desta terça-feira 20 de novembro com a iluminação da Basílica de Santa Maria da Saúde, uma parte do Grande Canal de Veneza, a Ponte do Rialto e outros lugares emblemáticos da capital do Veneto.

‘Guerra civil’ na Igreja Católica pode abalar pontificado do papa Francisco

Os organizadores desta iniciativa (o mesmo Patriarcado de Veneza, a prefeitura da cidade e a Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja Que Sofre), assinalaram como objetivo, como recordou o Papa Francisco em sua mensagem, “sensibilizar a opinião pública pelo drama de tantos cristãos perseguidos devido à sua fé”.

Na mensagem, o Papa lamenta que “existam países onde se impôs uma única religião e outros onde se vê uma brutal perseguição, violenta e sistemática, contra os discípulos de Jesus”. Por estes motivos, é agora essencial organizar eventos similares ao que ocorrerá em Veneza.

Neste sentido, a cidade de Barcelona, Espanha, também se iluminará de vermelho na próxima sexta-feira 23 de novembro em uma iniciativa organizada também pela delegação espanhola de Ajuda à Igreja Que Sofre (ACN).

VEJA TAMBÉM
Terra do Papa, Argentina se torna mais evangélica e menos católica

Sobre o evento de Veneza, o diretor de Ajuda à Igreja Necessitada-italia, Alessandro Monteduro, explicou que “a água do Grande Canal se transformará em sangue dos cristãos perseguidos”. Além de estar dedicada a Ásia Bibi, a iniciativa “Venezia in rosso” contará com o testemunho de Dom Botros Fahim Hanna, Bispo copto-católico de Minya, no Egito, que falará das dificuldades dos cristãos neste país, perseguidos pelo Estado Islâmico (ISIS) e outros grupos terroristas.

Com informações ACI Digital