O vermelho dos mártires iluminará Veneza. Foto: Ajuda à Igreja Que Sofre (ACN)

O projeto “Venezia in rosso” (Veneza em vermelho) iluminará de vermelho esta terça-feira 20 de novembro vários monumentos e canais desta cidade italiana em memória dos mártires cristãos do passado mas de maneira especial do presente.

O evento estará dedicado, de forma especial, a Ásia Bibi, a mãe cristã paquistanesa encarcerada durante 9 anos acusada de blasfemar contra o islã. Apesar de ter sido condenada à morte, um tribunal lhe concedeu a absolvição neste último 31 de outubro.

Sua história se converteu em um símbolo na luta contra a perseguição religiosa, contra a cristãofobia e em favor da liberdade religiosa no mundo.

O Papa Francisco disse que deseja que esta iniciativa “suscite a devida atenção por parte de todos perante o grave problema da discriminação que os cristãos sofrem em tantas partes do mundo”.

Na mensagem, mandada pelo Secretário de estado do Vaticano, Cardeal Pietro Parolin, da parte do Pontífice, o Papa dirige também “sua afetuosa saudação” aos jovens que farão parte da tradicional peregrinação diocesana à Basílica de Santa Maria da Saúde que este ano também participará da iniciativa da Venezia in rosso”.

VEJA TAMBÉM
Ricardo Gondim diz que ter mais convergência com Papa do que com pastores neopentecostais

“Venezia in rosso” começará às 6,15 p.m. (hora da Itália) desta terça-feira 20 de novembro com a iluminação da Basílica de Santa Maria da Saúde, uma parte do Grande Canal de Veneza, a Ponte do Rialto e outros lugares emblemáticos da capital do Veneto.

‘Guerra civil’ na Igreja Católica pode abalar pontificado do papa Francisco

Os organizadores desta iniciativa (o mesmo Patriarcado de Veneza, a prefeitura da cidade e a Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja Que Sofre), assinalaram como objetivo, como recordou o Papa Francisco em sua mensagem, “sensibilizar a opinião pública pelo drama de tantos cristãos perseguidos devido à sua fé”.

Na mensagem, o Papa lamenta que “existam países onde se impôs uma única religião e outros onde se vê uma brutal perseguição, violenta e sistemática, contra os discípulos de Jesus”. Por estes motivos, é agora essencial organizar eventos similares ao que ocorrerá em Veneza.

Neste sentido, a cidade de Barcelona, Espanha, também se iluminará de vermelho na próxima sexta-feira 23 de novembro em uma iniciativa organizada também pela delegação espanhola de Ajuda à Igreja Que Sofre (ACN).

VEJA TAMBÉM
Estado Islâmico ameaça matar o Papa Francisco: "Nós estaremos em Roma"

Sobre o evento de Veneza, o diretor de Ajuda à Igreja Necessitada-italia, Alessandro Monteduro, explicou que “a água do Grande Canal se transformará em sangue dos cristãos perseguidos”. Além de estar dedicada a Ásia Bibi, a iniciativa “Venezia in rosso” contará com o testemunho de Dom Botros Fahim Hanna, Bispo copto-católico de Minya, no Egito, que falará das dificuldades dos cristãos neste país, perseguidos pelo Estado Islâmico (ISIS) e outros grupos terroristas.

Com informações ACI Digital

COMPARTILHAR