O jovem era missionário de uma organização cristã e já havia participado de missões a outros pontos remotos do planeta

Um missionário americano de 27 anos foi morto a flechadas após entrar em uma ilha da Índia ocupada por uma tribo indígena que vive isolada.

A ilha de North Sentinel, situada no Índico, é proibida para visitantes. John Allen Chau, entretanto, ignorou a advertência, conforme relatou o “Sun”. Ele desejava chegar ao local para apresentar o cristianismo aos indígenas.

“Ele tentou chegar às ilhas Sentinel em 14 de novembro, mas não conseguiu. Dois dias depois, ele se preparou melhor. Ele chegou de canoa à ilha”, disse uma fonte à agência France Presse.

Indígena isolado aponta arco e flecha a ‘intruso’ em ilha remota do Índico Foto: Reprodução

O corpo flechado de John Allen foi arrastado pelos indígenas com ajuda de uma corda presa ao pescoço e abandonado em uma praia. Pescadores viram o cadáver em North Sentinel, que faz parte do remoto arquipélago de Andamã e Nicobar, mas não puderam recuperá-lo.

+ Missionário batista é assassinado em Camarões após cair em emboscada

Segundo o jornal “Andaman Sheekah”, fontes disseram que o missionário já teria tentado contato com os indígenas hostis outras cinco vezes.

VEJA TAMBÉM
Missionário percorre igrejas do sertão para ensinar evangelismo: “Precisamos nos aprofundar”

O caso está sendo tratado pela polícia local como homicídio. Mas os indígenas não podem ser indiciados, já que não são imputáveis segundo as leis locais. Os pescadores que levaram John Allen à ilha foram detidos.

Milhares de missionários participam de Congresso Internacional realizado na Coreia do Sul

A embaixada americana na Índia está acompanhando o caso. A International Christian Concern confirmou que John Allen era missionário da organização cristã. O americano havia participado de missões a outros pontos remotos do planeta.

Com informações Extra