Da Redação

Base e oposição se revezaram entre as defesas e os ataques às recentes e polêmicas decisões tomadas pelo Governo Carlesse. Foto: Reprodução

As discussões parlamentares da sessão matutina desta quarta-feira, 21, trataram de medidas do Governo para contenção de despesas, como exonerações de cargos de confiança ocupados por delegados, por exemplo. Os deputados Stalin Bucar (PR), José Bonifácio (PR) e Valderez Castelo Branco (PP) concordaram com a iniciativa do governador Mauro Carlesse (PHS) com vistas ao enxugamento da máquina pública e ao enquadramento do Estado na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF).

Paulo Mourão, por sua vez, criticou as ações do Executivo e as baixas na Secretaria de Segurança Pública, segundo ele uma das áreas mais problemáticas no Tocantins. Stalin Bucar defendeu a necessidade das ações para que projetos não sejam prejudicados devido à situação fiscal do Estado, além de possíveis impedimentos no recebimento de repasses do Fundo de Participação dos Estados (FPE), empréstimos e financiamentos.

“O governador Carlesse adotou a medida certa e não pode ceder a pressões de adversários e sindicatos por iniciar cortes importantes para o Estado. O afastamento desses delegados dos cargos de confiança não tem o propósito de impedir nenhum inquérito, pois eles continuarão em suas funções técnicas e administrativas, com mais tempo para se dedicar às investigações”, destacou Stalin Bucar.

VEJA TAMBÉM
Deputada Valderez solicita melhorias para municípios do Norte do Tocantins

Deputados aprovam LDO 2019 com previsão de arrecadação de R$ 10,261 bilhões

Por sua vez, Paulo Mourão lamentou o fato e tachou as exonerações de “ato intimidatório”. “Se fosse para reduzir custos, isso deveria ser exposto em um projeto amplo para todas as pastas, até porque a economia do ato será mínima. O Estado precisa de reforma administrativa para o controle de gastos”, ressaltou o parlamentar.

Já a deputada Valderez Castelo Branco esclareceu que as exonerações ocorrerão em todas as secretarias, e que todos os cargos de confiança estão sendo analisados para os devidos cortes.

Audiência pública

Para esclarecer atos públicos e promover a transparência, ficou definida para o próximo dia 5 de dezembro audiência pública com a presença do secretário da Fazenda, Sandro Henrique Armando. A reunião também contará com a apresentação de balanço e projetos para 2019.

Com informações AL TO