Marcelo e Pastor Erton no momento do batismo em Unaí. Foto: Reprodução

O sermão do apóstolo Pedro, registrado no capítulo 2 de Atos, ocorreu em um contexto com uma impressionante manifestação do Espírito Santo. Os três mil conversos daquele dia levam à reflexão sobre a importância de decisões espirituais individuais. Há alguns anos, a Igreja Adventista do Sétimo Dia na América do Sul reserva uma semana, no calendário, geralmente no segundo semestre, para motivar a realização de cultos especiais com ênfase neste tipo de decisões públicas em favor de Cristo. Neste ano, a semana teve como título geral Essências e ocorreu em mais de 30 mil lugares diferentes de oito países. A exposição da Bíblia é feita por pastores, membros leigos e pessoas que sentem o desejo de ministrar.

Um dos que tomou esta decisão, no dia 24, foi Marcelo Aparecido, de 48 anos, que mora em Unaí, Minas Gerais, bem perto da divisa com o Distrito Federal. Em abril do ano passado, Marcelo teve sua perna esquerda amputada por causa de uma doença crônica chamada tromboangeíte obliterante. Foi o começo de um período turbulento. Diversos problemas se sucederam na vida do homem que, então, era casado e sócio de uma clínica de recuperação em dependência química e alcoolismo.

VEJA TAMBÉM
'Quem enfrenta doenças mentais não deve liderar igrejas', diz amigo de pastor que cometeu suicídio

Seu mundo ruiu rapidamente. O relacionamento acabou, a sociedade foi desfeita e um vazio se instalou. “Estava em casa, deprimido, e pensava seriamente em suicídio, pois não suportava mais a dor que estava sentindo”, lembra.

Nicole Kidman testemunha fé e revela que quase foi freira: “absolutamente acredito em Deus”

Um livro, um abraço e uma oração

A situação começou a mudar em maio, quando Marcelo recebeu um exemplar do livro O Poder da Esperança durante grande distribuição realizada por funcionários da sede adventista sul-americana em Unaí. Depois de alguns dias sem sair de casa, conseguiu pegar o elevado do prédio e descer. Quando chegou à calçada, deparou-se com o presidente da Igreja na América do Sul, pastor Erton Köhler, que distribuía exemplares com sua família. Depois de pegar uma cópia, receber um abraço e fazer uma oração com o pastor Köhler, Marcelo afirma que seguiu uma nova vida. A partir deste momento, contou com o auxílio de várias pessoas no seu desenvolvimento espiritual, inclusive das que trabalham na sede sul-americana adventista, e se conectou com a igreja local.

VEJA TAMBÉM
"Eu chorei e orei", diz mãe que recusou aborto e testemunhou milagre

Há pouco mais de um mês usando uma prótese, agora enxerga a vida de outra forma. Faz estudos bíblicos regulares e, na semana de decisões, comprometeu-se publicamente com Deus por meio do batismo. O pastor que lidera a equipe de Um Ano em Missão (jovens que fazem missões evangelísticas voluntárias regularmente), Jackson Pires, também é outro amigo que deu apoio na caminhada. “Hoje eu consigo enxergar uma luz no final do túnel. Antes eu não via solução”, afirma, reconhecendo que os problemas ainda são grandes, mas a maneira de enfrentá-los é outra.

Com informações Adventistas