‘Abatidos como animais, queimados até a morte’: pastores relatam massacre ao presidente nigeriano

“A devastação em termos de massacre de vidas e destruição de propriedade é inimaginável", lamentam os pastores

Da redação JM

“A devastação em termos de massacre de vidas e destruição de propriedade é inimaginável”, lamentam os pastores

Líderes da igreja nigeriana se reuniram com o presidente Muhammadu Buhari no início deste mês, mas condenaram o “mal” massacre dos cristãos e as falsidades que o cercam.

O reverendo Dacholom Datiri, presidente da Igreja de Cristo na Nigéria, disse que entregou um relatório a Buhari em 6 de novembro, descrevendo o assassinato de 646 cristãos no estado de Plateau entre março e outubro deste ano.

“A devastação em termos de massacre de vidas e destruição de propriedade é inimaginável. Pastores e membros aos milhares foram mortos a sangue frio, mortos a tiro ou abatidos como animais ou queimados até a morte. Casas e empresas foram queimadas ou saqueadas e fazendas foram destruídas ”, disse ele, falando dos anos de sofrimento que a igreja sofreu.

“Contem ao mundo o que temos passado na Nigéria”, implora cristã sobrevivente de violência sexual

Milhares de outros cristãos foram massacrados no país desde o início de 2018, provocando protestos contínuos de grupos de vigilância, exigindo que o governo nigeriano faça mais para proteger os cidadãos.

“A narrativa foi que essas pessoas são mortas por pistoleiros desconhecidos, ou suspeitos de pastores, ou que houve confrontos entre fazendeiros e pastores”, disse Datiri em seu relatório, compartilhado pelo Morning Star News .

“Todas estas são narrativas enganosas deliberadamente enquadradas para esconder a verdade e continuar a perpetrar o mal.”

“Depois dos ataques, são os pastores Fulani que se instalam e pastam o gado nas fazendas das vítimas”, continuou ele.

“A proficiência e o modo de operação em todos esses ataques, como testemunham as vítimas sobreviventes, não nos deixa em dúvida a cumplicidade dos militares em serem usados ​​como mercenários contratados pelas milícias Fulani. Sobre isso, estamos desapontados e, infelizmente, que o governo não cumpriu sua responsabilidade constitucional de proteger vidas e propriedades ”.

Como prova, ele apontou para os militantes fortemente armados com armas sofisticadas, incluindo AK-47, metralhadoras e granadas de propulsão, que matavam cristãos.

VEJA TAMBÉM
Ataque suicida na Nigéria deixa 13 mortos e 5 feridos

Um ponto muito semelhante foi feito em agosto por Emeka Umeagbalasi, presidente da Sociedade Internacional de Liberdades Civis e Estado de Direito, que disse ao The Christian Post que o governo e muitas organizações de notícias estão divulgando uma narrativa tão falsa.

Umeagbalasi disse ao PC na época que todas as evidências, incluindo a grande desproporção no número de cristãos mortos, e relatos de igrejas sendo convertidas para fins islâmicos, mostram que as milhares de mortes não são simplesmente o resultado de confrontos entre fazendeiros e fulanos.

“Quantos agricultores muçulmanos estão sendo mortos por pastores Fulani? Quantos lares muçulmanos foram destruídos ou queimados? A resposta é negativa. Não tem nada a ver com confrontos entre pastores e fazendeiros. É falso”, acrescentou.

“Não gostamos de usar os [termo] ‘pastores Fulani’, gostamos de usar ‘jihadistas fulani’, que estão sob o disfarce de pastores”.

Em sua declaração a Buhari, Datiri apontou ainda que até 38.000 cristãos foram forçados a fugir para campos de deslocados, com 30 igrejas e 4.436 casas cristãs destruídas no estado, todas no espaço de meio ano.

O presidente da Igreja de Cristo na Nigéria acusou as forças militares nigerianas de não apenas conter os radicais, mas de ser cúmplice em alguns dos ataques.

“Devemos acreditar que as forças armadas enviadas para manter a paz seguem as instruções para protegê-las?”, Perguntou ele. “A implicação é que eles protegem os agressores e deixam as vítimas impiedosamente impotentes”.

Por sua parte, Buhari não contestou as estatísticas de violência no estado de Plateau, mas disse que as diferentes comunidades devem viver juntas em harmonia.

“Não são todos os muçulmanos que são contra os cristãos, e nem todos são cristãos contra os muçulmanos”, disse o presidente. “Em nosso acordo de segurança, a polícia está na linha de frente para garantir que as comunidades, independentemente de preconceitos étnicos ou religiosos, vivam em paz”.

120 pessoas mortas, 140 casas destruídas

Pelo menos 120 pessoas foram mortas por supostos ataques dos militantes Fulani desde fevereiro no estado de Kaduna, na Nigéria, com os últimos ataques na segunda-feira, resultando na morte de mais de 50 pessoas e na destruição de mais de 140 casas. 

O governador do estado de Kaduna, Nasir El-Rufai, impôs  nesta semana um toque de recolher na área do governo local de Kajuru, já que milhares de pessoas foram expulsas de suas casas pela violência causada por militantes fulanis.

O toque de recolher vem como tem havido uma série de recentes ataques contra as comunidades dentro da predominantemente cristã Adara chefia do sul de Kaduna.

Na segunda-feira, 52 pessoas morreram, dezenas ficaram feridas e cerca de 143 casas foram destruídas em ataques nas vilas de Inkirimi, Dogonnoma e Ungwan Gora, no distrito de Maro, na área do governo local de Kajuru, segundo Christian Solidarity Worldwide .

O ataque de segunda-feira ocorreu após um ataque no domingo, na vila de Ungwan Barde, em Kajuru, na qual 17 pessoas foram mortas e dezenas de casas foram incendiadas.

No final de fevereiro, houve outro ataque em Maro que resultou na  morte de cerca de 38 cristãos e viu casas e uma igreja incendiadas. Em 10 de fevereiro, 10 pessoas foram mortas em um ataque em Ungwan Barde, enquanto outras seis foram mortas em ataques isolados no dia anterior.

Com informações The Christian Post