Advogada, educadora e uma das maiores militantes pró-vida e prófamília da história do Brasil pode mudar os rumos dos direitos humanos nos Brasil. Foto: Reprodução

A pastora evangélica Damares Alves, assessora parlamentar de Magno Malta(PR-ES), foi convidada por Bolsonaro para ocupar o posto de ministra de Direitos Humanos e Mulheres. Ela tem apoio dos conservadores em geral, pois suas pautas principais são em defesa da vida e das crianças.

A informação foi confirmada por alguns dos principais líderes da bancada evangélica, que não quiseram se identificar. Ela é vista como um nome de confiança por Bolsonaro. Seria a segunda mulher dos ministérios do presidente eleito após Tereza Cristina (DEM-MS), convidada para a Agricultura.

Advogada, educadora e uma das maiores militantes pró-vida e pró-família da história do Brasil, Damares Alves foi a escolhida pelo presidente Jair Bolsonaro para ser ministra dos Direitos Humanos, Mulheres e Igualdade Racial.

O presidente da Frente Parlamentar Evangélica, pastor Hidekazu Takayama disse em
entrevista exclusiva ao Agora Paraná que vê com bons olhos a indicação de Damares pelo
presidente eleito. “Ela tem defendido as nossas pautas e bandeiras da fé cristã. Temos inteira confiança no trabalho da Dra. Damares que tem o nosso apoio. Embora, ela não faça parte da lista tríplice da bancada para um Ministério, a Frente Parlamentar Evangélica reafirma o apoio a Jair Bolsonaro. Não estamos aqui para barganhar cargos, mas para contribuir com a mudança da história do Brasil”, disse Takayama.

“Crente, pastor não manda no seu voto”: Damares Alves dispara contra apoio de líderes a esquerdistas

Fontes extraoficiais afirmam que Damares vai dar uma resposta à Bolsonaro até a próxima
terça-feira. Caso aceite, ela será a segunda mulher a ocupar um ministério do governo Jair
Bolsonaro, após Tereza Cristina (DEM-MS), convidada para a Agricultura. À frente do
Ministério dos Direitos Humanos, Damares pode quebrar o paradigma do falso Direito Humano criado pela esquerda brasileira nos últimos governos que setorizou os “Direitos Humanos” e restringiu esse tema tão importante para o envio de recursos para questões ideológicas e manifestações LGBTI capitaneados por uma militância que atenta contra os princípios da família brasileira tentando a qualquer custo implantar a ideologia de gênero nas escolas. Ela terá a oportunidade de colocar no trilho esse assunto tão importante para a nação.

VEJA TAMBÉM
Damares indica ser contra indenização de R$ 11 mil a Dilma; ela reage: "meu direito"

Damares é uma das principais referências no indigenismo. De tão apaixonada que é pelos
povos indígenas, adotou uma pequena indiazinha. Também tornou-se referência no resgate de crianças indígenas em situação de risco e principal responsável pela aprovação da Lei Muwaji, que visa proteger crianças indígenas rejeitadas que seriam vítimas de infanticídio.

Para a jornalista indígena Sandra Terena, vencedora do prêmio Internacional Jovem da Paz
em 2009, a indicação do presidente eleito pode mudar a história dos Direitos Humanos para os povos indígenas. “Damares conhece profundamente a necessidade do nosso povo. A “era petista” foi o pior momento da história do Brasil para os povos indígenas, sobretudo quando o ex-presidente Lula assinou o decreto 7056 que extinguiu muitas administrações da Funai pelo nosso país. Ao contrário do que diziam por aí, o governo Bolsonaro pode desfazer os estragos feitos pelo governo Lula e Dilma. Nós, povos indígenas, fomos usados por esse governo e depois subjugados pelo próprio Estado. E Damares vai revolucionar os Direitos Humanos em todas as áreas, principalmente na questão da igualdade racial”, disse.

VEJA TAMBÉM
'Crime organizado vende estupro de bebês no Brasil', diz ministra Damares Alves

O nome de Damares tem sido consenso. Para Gessé de Roure Filho, diretor nacional do
Parlamento & Fé Brasil, a informação está sendo bem recebida no meio cristão. “Diante da
notícia divulgada abordando a nomeação da Dra. Damares para o Ministério, queremos
manifestar nosso irrestrito apoio à referida indicação. Trata-se de uma profissional altamente qualificada para o cargo, com profundo conhecimento e experiência sobre os assuntos que envolvem a pasta”, disse.

Referência no combate à automutilação e suicídio de crianças, adolescentes e jovens, muito
antes de vir à tona a história do jogo “Baleia Azul”, Damares já era referência na luta para
salvaguardar esse público. Os números dessa prática são assustadores, cerca de 20% dos
adolescentes se mutilam no Brasil, dentro de seus quartos sem que seus pais percebam. Há muitos anos, Damares tem viajado por todo o Brasil para alertar os pais sobre essa prática nociva que tem se popularizado no Brasil.

Com informações O Globo e Agora Paraná (Oswaldo Eustáquio)