Da Redação

“Encorajamos a comunidade cristã e a sociedade civil a acolher, proteger e promover a vida humana desde a concepção até a morte natural”

Em sua mensagem para o Dia da Vida, a ser celebrado em 3 de fevereiro de 2019, a Conferência Episcopal Italiana (CEI), assinalou que a vida humana sempre deve ser protegida e cuidada, desde a concepção até a morte natural.

No texto intitulado “Há vida, há futuro”, os bispos assinalaram que “à praga do aborto, que não é um mal menor, mas um crime, se acrescenta a dor pelas mulheres, pelos homens e pelas crianças” que são obrigados a migrar dos seus lugares de origem.

“Encorajamos a comunidade cristã e a sociedade civil a acolher, proteger e promover a vida humana desde a concepção até a morte natural”, pois a vida “sempre é um bem para nós e para os nossos filhos”.

Os prelados recordam que “a existência é o dom mais precioso feito ao homem, através do qual somos chamados a participar do sopro vital em seu Filho Jesus. Esta é a herança, o germe, que podemos deixar para as novas gerações”.

Ministro do STF defende descriminalização do aborto: “A mulher não é um útero a serviço da sociedade”

“Acolher, servir, promover a vida humana e protegê-la na terra significa optar por renovar-se e renovar, trabalhar pelo bem comum, olhando sempre para frente”, indicam os bispos.

VEJA TAMBÉM
Pastor denuncia Youtube por "censurar" vídeo contra aborto

Após incentivar um “pacto de natalidade” que envolva “todas as forças culturais e políticas” da Itália, os prelados da CEI assinalam que é importante “a acolhida da vida antes e depois do nascimento, em toda condição e circunstância onde seja frágil, ameaçada e necessitada do essencial”.

Depois de recordar que “a defesa do inocente que ainda não nasceu deve ser clara, firme e apaixonada”, os bispos indicam também a importância de cuidar dos idosos que, como disse o Papa Francisco, “são a memória do povo”.

Via ACI