Da Redação JM Notícia

Magno Malta puxou oração no momento do anúncio de Bolsonaro como presidente da República
Reprodução / Twitter

O presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), afirmou nesta quarta-feira (5), pela primeira vez  publicamente que o Senador Magno Malta (PR) não seria anunciado auxiliar de seu governo, ou seja, ministro.

Bolsonaro alegou que o senador evangélico, que é conhecido como um dos defensores da família, contra a legalização das drogas, da pedofilia e do aborto, não se enquadrou no perfil de seus ministérios.

“Tínhamos um desenho do ministério na cabeça, infelizmente não coube o perfil dele não se enquadrou nessa questão. Apenas isso”, respondeu Bolsonaro ao ser questionado sobre a chateação de Malta por não ter sido indicado.

Onix Lorenzoni chegou a anunciar que Malta poderia comandar uma pasta que cuidaria de assuntos da família, no entanto, a pasta não foi anunciada.

Malta desistiu de ser vice para concorrer a novo mandato no Senado, e na contramão do que aconteceu com os candidatos apoiadores de Bolsonaro, em que muitos tiveram votações expressivas, não se reelegeu.

“Meu compromisso com Bolsonaro foi até o dia 28 [de outubro, data do segundo turno], às 19h30. Tínhamos um projeto de tirar o Brasil de um viés ideológico e nosso compromisso acabou dia 28. Bolsonaro não tem nenhum compromisso comigo”, afirmou Malta, também nesta quarta (5).