Da Redação JM

“O pai ainda não os colocou em seu devido lugar”, frisou Couto. Foto: Reprodução

O presidente eleito Jair Bolsonaro tem um problema grave para enfrentar durante seu mandato: administrar o comportamento dos filhos. A leitura é feita pelo pastor Geremias Couto.

Para o pastor Geremias, parece que os filhos do novo presidente “ainda não compreenderam” que não podem falar em nome do pai e isso gera consequências ruins para o próprio pai que tem que administrar conflitos gerados por quem deveriam ajudá-lo.

O pai ainda não os colocou em seu devido lugar“, frisou Couto.

Filhos de pastor

O pastor ainda faz uma comparação para exemplificar o seu ponto de vista.

Diz que, na devida proporção, o caso dos filhos de Bolsonaro se assemelha ao de muitos filhos de pastores que lideram igrejas e que devido ao comportamento dos filhos, que por serem filhos do líder se acham no direito de querer ditar regras, acabam vendo desgastado as suas relações com o rebanho.

Leia:

É chover no molhado afirmar que Bolsonaro enfrentará enormes desafios. Mas um deles tem elevado grau de complexidade. São os três filhos – Flávio, Eduardo e Carlos – todos parlamentares: Senador, Deputado Federal e Vereador. Sem abdicar do exercício de seus mandatos, eles não podem falar e agir em nome do presidente eleito. Não têm tal delegação. Mas parece que ainda não compreenderam isso e o pai ainda não os colocou em seu devido lugar. É um ponto de tensão. Assemelham-se a certos filhos de pastores que pensam poder mandar na igreja.