Por Ana Paula Lopes – Especial 
Rodolpher Sousa é músico, teólogo, pastor, líder de jovens, adolescentes e de músicos  da Igreja Internacional da Renovação.

Na semana passada o meio cristão foi mais uma vez surpreendido com a noticia da morte de um pastor por suicídio. O índice de mortes por suicídio tem crescido demasiadamente e o que chama atenção é a inserção de cristãos neste índice, dentre estes pastores, líderes de ministérios. Durante muito tempo evitou-se por parte da grande mídia , a divulgação de notícias sobre estes casos. Muitos veículos de comunicação em sua linha editorial não abordam o tema, assegurando ser uma medida de cautela para que essas notícias não sirvam de estímulos a outros que estejam com pensamentos suicidas para consumar o ato.

 

Porém estes últimos anos a questão vem sendo reavaliada e surgiu uma necessidade de uma abordagem mais abrangente. Instituições públicas e privadas, e, a própria sociedade em si têm buscado desenvolver campanhas e ações de alerta e de conscientização acerca do tema. Mas o que leva uma pessoa a tentar contra a própria vida? Os motivos podem ser diversos. Há casos de pessoas bem próximas a alguém que cometeu suicídio que nunca souberam os reais motivos que o levou a praticar tal ato. Se deixaram sinais, estes foram negligenciados. O que é possível notar-se a partir dos  casos mais recentes de morte desse gênero, é que a depressão, embora não sendo o único motivo, tem tido uma posição de destaque no desencadeamento de morte por suicídio.

Por muito tempo a depressão foi negligenciada pela sociedade. Muitos atribuíam à “frescura” o que sentia uma pessoa depressiva.

 

A sociedade cristã, ou, parte dela, considerava a doença apenas pelo prisma espiritual, bem como o ato do suicídio em si. Deparar-se com cristãos no índice de mortes desta forma levaram muitos a repensar seus posicionamentos, e, a tomar medidas de prevenção para o cuidado não apenas do espiritual, como também do físico e emocional de uma pessoa.

 

Rodolpher Souza, pastor de uma denominação evangélica de Palmas, viveu o que ele caracteriza de “os piores momentos de sua vida” quando no ano de 2014 passou por um processo de depressão que quase o levou a cometer suicídio. Casado e pai de dois filhos, Rodolpher disse que em casa, com a família e em seu relacionamento conjugal, estava tudo bem, porém, passava por um esgotamento mental e emocional muito forte, ocasionado por pressões externas do dia a dia e pressões ministeriais. Rodolpher, que na época tinha pouco mais de dez anos de conversão e quatro anos de consagração pastoral, chegou a procurar auxílio com um psicólogo, mas disse que embora isso o tenha ajudado bastante, não foi o que o levou a cura. O pastor relata o seu testemunho em um livro recém publicado, intitulado “Eu escolhi Viver”. O livro relata todo o enredo e como foi o desfecho da história, o autor atribui a um milagre o modo como foi curado.

VEJA TAMBÉM
'Deus tem um propósito com tudo isso', diz Augustus Nicodemus após grave acidente

 

Embora tenha vivido sua experiência de cura por intervenção divina, Rodolpher orienta  pessoas que estejam passando por um processo depressivo a buscarem ajuda. “Tudo o que uma pessoa que passa por uma depressão não quer é socializar-se. Por isso muitos são surpreendidos quando um ente bem próximo comete suicídio, sem que este tenha sequer comentado algo sobre o que vivia” declarou o pastor.

 

O isolamento é um dos sintomas de uma pessoa depressiva, a perca da alegria de viver acaba inibindo a vontade de estar próximo de outras e, de compartilhar os seus sentimentos. “Por mais difícil que seja, o único modo de romper com o isolamento é pedindo ajuda, abrir a boca, falar. A pessoa que estiver passando por isso deve procurar alguém de sua confiança, seja um amigo, um conselheiro, um pastor, ou, um profissional da área da saúde mental e emocional, como psicólogo, terapeuta e psiquiatra” aconselha Rodolpher.

O pastor que em seu livro relata que no tempo em que passou pela depressão considerava-se uma pessoa em casa e outra na igreja, onde liderava um ministério. No capítulo “Bota Casaco! Tira Casaco!” ele conta como era liderar pessoas sem deixar transparecer o que sentia. “Uma das bênçãos do nosso chamado é cuidar das pessoas que não estão bem e trazer refrigério para elas. Mas, de repente você está num lugar onde não está desejando mais viver e tem que distribuir sorrisos e dizer palavras de estímulos às pessoas. É muito controverso”.

VEJA TAMBÉM
Pastor morre após acidente de moto causado por buraco em rodovia

 

Rodolpher alerta pastores e líderes religiosos quanto aos perigos de comportamentos como estes. “Muitos pastores e líderes forçam uma imagem de “ super pastores”, de uma vida quase perfeita, sem problemas. Mas quando o problema bate à porta, fica complicado ser transparente e sincero pois inicialmente o medo de serem vistos como frágeis é maior que a necessidade de pedir ajuda”.

 

Segundo ainda Rodolpher, o ser humano antecede títulos, cargos e posições. “Antes de sermos pastores ou o que quer que seja o cargo ou a função exercida, somos seres humanos. Não devemos sair expondo os nossos problemas para todo mundo, mas, também não devemos negá-los. É necessário gerenciar as nossas emoções, assumir quando não estamos bem, quando falhamos, quando pecamos. Todos nós estamos sujeitos a cair, a errar e falhar. Não somos perfeitos, mas, podemos levantar e seguir adiante. A vida é o bem mais precioso dado por Deus aos homens nesta terra. Vamos escolher Viver” finalizou o pastor.

 

O livro “Eu escolhi Viver” foi publicado em novembro deste ano e sua distribuição é gratuita. Quem tiver interesse em adquirir um exemplar pode entrar em contato com o pastor: 63 9 9107.6631 – [email protected]

 

******
Rodolpher Sousa é músico, teólogo, pastor, líder de jovens, adolescentes e de músicos  da Igreja Internacional da Renovação. É Casado com Andréia Carvalho, com quem tem dois filhos:  Luan Carvalho, de 16 anos e Kauan Carvalho, de 11. A ideia de publicar o seu testemunho em um livro foi após perceber o número de pessoas que passavam por situação semelhante principalmente jovens e adolescentes. O livro que é todo ilustrado tem uma linguagem voltada para este grupo, público este que Rodolpher pastoreia na igreja .