Da Redação JM Notícia

MPE pede a cassação dos deputados Nilton Franco, Jair Farias e Dulce Miranda

O procurador do Ministério Público Eleitoral do Tocantins,  Álvaro Manzano, ingressou com ação pedindo que o Tribunal Regional Eleitoral do Tocantins, casse os diplomas dos deputados estaduais Nilton Franco e Jair Farias. Na ação, o MPE também pede que seja cassado também o mandato da deputada federal reeleita Dulce Miranda, esposa do ex-governador cassado Marcelo Miranda.

Segundo Manzano, foi identificado movimentações atípicas na conta de campanhas das eleições de outubro de 2018, que somam  R$ 865 mil do Fundo Especial de Financiamento de Campanha.

Ainda de acordo com o Ministério Público Eleitoral, Dulce Miranda recebeu recursos que deveria ser utilizado apenas em sua campanha, entretanto, o MP acredita que a parlamentar tenha redistribuído a outros parlamentares, ou seja, R$ 600 mil teriam sido destinados a Jair Farias, R$ 200 mil a Nilton Franco e R$ 65 mil a Zé Haroldo.

Nilton Franco x MPE

Esta é a segunda ação que o Ministério Público Eleitoral move contra o deputado estadual Nilton Franco. Segundo o MPE, Nilton Franco é inelegível por  ter sido condenado por improbidade administrativa ao lado de sua esposa, Alessandra Fonseca.

VEJA TAMBÉM
Recurso Eleitoral que pede cassação da chapa de Ronaldo Dimas será julgado pelo TRE, na próxima quinta

Alessandra Fonseca, Auditora Fiscal da receita estadual, exerceu o cargo de secretaria municipal na gestão do então prefeito de Pium, o esposo, Nilton Franco. Na época, ela recebeu  “pagamentos indevidos” quando foi cedida à Prefeitura de Pium, com ônus ao Estado. A esposa recebia o vencimento como servidora estadual e também os valores referentes aos cargos em comissão de secretária da saúde e de assistência social que assumiu no município, entre 2005 e 2010.

Suplentes

Marcus Marcelo pode assumir caso os dois deputados sejam cassados pelo TRE-TO

Caso o Tribunal Regional Eleitoral acate o pedido do Ministério Público Eleitoral e casse os mandatos dos dois parlamentares estaduais, os suplentes Gutierres Torquato, da região sul do Estado e o presidente da Câmara de Araguaína, Marcus Marcelo, podem assumir as respectivas vagas na Assembleia Legislativa em 2019.

Em uma possível cassação da deputada Dulce Miranda, o vereador Tiago Andrino, 1º suplente assume a vaga na Câmara dos Deputados.

Desembargadora nega recurso e mantém condenação de Nilton Franco e esposa