Da redação JM

Existe uma relação entre os poucos direitos conquistados pela população LGBT com o crescimento do movimento evangélico, é o que diz o relatório “América Central, uma região em dívida com sua população diversa“.

O estudo reúne o estado atual dos direitos humanos das pessoas com diversidade sexual e de gênero nos países da região.

Foi elaborado com as principais conclusões do Fórum Centro-Americano sobre Direitos Humanos de Pessoas LGBT, organizado pelo Visibles, um movimento guatemalteco.

A América Central está passando por um revés em termos de direitos LGBT. Uma das dinâmicas demográficas mais importantes para entender esse fenômeno é o crescimento da influência das igrejas evangélicas e de outros grupos religiosos na política e nas instituições dos países da região “, aponta o relatório.

“Esse crescente grupo da população está deixando sua marca nos processos políticos de relevância na região, incluindo as eleições e o curso geral da política promovida pelos governos eleitos, além de atacar o secularismo dos Estados da região”, adiciona o estudo.

VEJA TAMBÉM
Katsbarnea lança single com mensagem para gays: “Jesus Cristo te ama do jeito que você é"

Além disso, o documento destaca que a falta de desenvolvimento das instituições democráticas e dos sistemas políticos centro-americanos está diretamente ligada à falta de respeito e garantia dos direitos humanos das pessoas LGBT.

População evangélica na região

1. Guatemala

41% dos seus habitantes são evangélicos. Em questões legislativas, um projeto de identidade de gênero recebeu uma opinião desfavorável; enquanto uma proposta para a proteção da vida e da família está pronta para ser endossada e estabelece que a pessoa não é “obrigada a aceitar como comportamentos e práticas normais não-heterossexuais”.

2. Honduras

Tem uma população evangélica de 39%. Atualmente, uma ação judicial visa eliminar um artigo na Constituição que impede casamentos do mesmo sexo. Sobre isso, Juan Orlando Hernandez, presidente daquele país, disse: “pessoalmente, como cristão, sou contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo”.

3. Nicarágua

Tem 32% dos habitantes evangélicos. A lei da Nicarágua não estabelece proteções contra a discriminação com base na orientação sexual e identidade de gênero.

4. El Salvador

28% dos salvadorenhos confessam ser evangélicos. Segundo relatos de ativistas e organizações, neste país há uma rejeição marcante da comunidade LGBT.

VEJA TAMBÉM
Projeto no Senado quer criminalizar preconceito de identidade de gênero

5. Costa Rica

25% dos seus habitantes são evangélicos. O relatório aplaude decisões como a mudança de nome de acordo com a identidade de gênero e o casamento igual; mas ele criticou que durante as eleições passadas os conservadores mencionaram que os homossexuais deveriam ser “restaurados”.