Da redação JM

Mônica Chaves servia ao Senhor em São José do Rio Preto. Foto: Reprodução Facebook

Lamentavelmente, mais um caso de suicídio envolvendo pessoas que servem na liderança de igreja aconteceu no país e desta vez com uma mulher. Monica Chaves (38) servia ao Senhor como presbítera na igreja Cabana Church, em São José do Rio Preto-SP.

A morte de Mônica gerou uma grande comoção nas redes sociais da cidade onde morava e trabalhava na Obra de Deus. Ela enfrentava um quadro de depressão e, segundo informações, mesmo se tratando com ajuda médica não resistiu ao sofrimento e revolveu tirar a própria vida no último dia 27 de dezembro.

Jovem pastor ligado ao ministério de Marco Feliciano comete suicídio

Ela foi encontrada morta no banheiro de sua casa com uma corda em seu pescoço.

O líder da Igreja Cabana Church comentou a morte de Mônica:

Sempre que vejo uma notícia de alguém que tirou a própria vida, me dá uma tristeza muito grande, e penso: “poxa, essa pessoa podia ter ouvido falar de Jesus” Só que lamentavelmente essas notícias tem se tornado cada vez mais frequentes, e de pessoas que não só ouviram falar de Jesus, mas também andam com ELE! Isso é triste demais ?Dói além do que se da pra explicar! Hoje a notícia foi dessa serva de Deus que amamos tanto ?! Foi triste vê-la enfrentando essa depressão, foi lindo ver como a igreja e a família verdadeiramente a amaram estando ao lado dela, e foi um choque hoje ver que aquele que só veio pra matar a fez acreditar que essa seria a saída ? Que o Espírito Santo console de forma especial e em nome de Jesus que *todos* nós possamos vigiar, amando mais a vida e amando viver mesmo passando por dias maus“, escreveu o bispo Alex Pontes.

Alerta sobre suicídios

VEJA TAMBÉM
Seminário destaca o papel da família na prevenção de suicídio entre adolescentes

O índice de mortes por suicídio tem crescido demasiadamente e o que chama atenção é a inserção de cristãos neste índice, dentre estes pastores, líderes de ministérios. Durante muito tempo evitou-se por parte da grande mídia , a divulgação de notícias sobre estes casos. Muitos veículos de comunicação em sua linha editorial não abordam o tema, assegurando ser uma medida de cautela para que essas notícias não sirvam de estímulos a outros que estejam com pensamentos suicidas para consumar o ato.

Porém estes últimos anos a questão vem sendo reavaliada e surgiu uma necessidade de uma abordagem mais abrangente. Instituições públicas e privadas, e, a própria sociedade em si têm buscado desenvolver campanhas e ações de alerta e de conscientização acerca do tema. Mas o que leva uma pessoa a tentar contra a própria vida? Os motivos podem ser diversos. Há casos de pessoas bem próximas a alguém que cometeu suicídio que nunca souberam os reais motivos que o levou a praticar tal ato. Se deixaram sinais, estes foram negligenciados. O que é possível notar-se a partir dos  casos mais recentes de morte desse gênero, é que a depressão, embora não sendo o único motivo, tem tido uma posição de destaque no desencadeamento de morte por suicídio.

VEJA TAMBÉM
Homem mata mulher grávida de cinco meses e forja suicídio dela no Ceará

Por muito tempo a depressão foi negligenciada pela sociedade. Muitos atribuíam à “frescura” o que sentia uma pessoa depressiva.

A sociedade cristã, ou, parte dela, considerava a doença apenas pelo prisma espiritual, bem como o ato do suicídio em si. Deparar-se com cristãos no índice de mortes desta forma levaram muitos a repensar seus posicionamentos, e, a tomar medidas de prevenção para o cuidado não apenas do espiritual, como também do físico e emocional de uma pessoa.

Rodolpher Souza, pastor de uma denominação evangélica de Palmas, viveu o que ele caracteriza de “os piores momentos de sua vida” quando no ano de 2014 passou por um processo de depressão que quase o levou a cometer suicídio.

pastor relata o seu testemunho em um livro recém publicado, intitulado “Eu escolhi Viver”. O livro relata todo o enredo e como foi o desfecho da história, o autor atribui a um milagre o modo como foi curado.

Leia abaixo a matéria:

Depressão e Suicídio é preciso falar disso, alerta pastor