Jair Bolsonaro recebe diploma no TSE — Foto: Evaristo Sá/AFP

Eleito com 57,8 milhões de votos, o capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL), de 63 anos, tomará posse nesta terça-feira (1º) como o 38º presidente do Brasil desde a proclamação da República, em 1889.

Os eventos da cerimônia de posse, em Brasília, começarão no início da tarde, pouco antes das 15h, com desfile da Catedral até o Congresso Nacional, e se estenderão por todo o dia até o último compromisso – um jantar para autoridades no Palácio do Itamaraty, às 18h30

Depois de sete mandatos como deputado federal e quase 30 anos na Câmara, Bolsonaro assume a Presidência após quatro vitórias seguidasdo PT em eleições presidenciais, com Luiz Inácio Lula da Silva (2002 e 2006) e Dilma Rousseff (2010 e 2014).

Bolsonaro vai substituir o presidente Michel Temer (MDB), que assumiu o governo em maio de 2016, em razão do impeachment de Dilma.

Segurança

A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal classificou a operação do dia da posse como o maior esquema de segurança já montado para um evento do gênero em Brasília.

Foram escalados para atuar na posse mais de 3,2 mil policiais militares, civis, federais e bombeiros, além de integrantes do Exército, da Marinha e da Aeronáutica.

O esquema de segurança da posse foi definido pelo Gabinete de Segurança Institucional da Presidência (GSI). Segundo a organização da cerimônia, dois mísseis antiaéreos guiados a laser, capazes de abater aviões a até 7 km de distância, serão utilizados no evento. Os militares também usarão um radar portátil para identificar aeronaves voando a baixa altitude.

VEJA TAMBÉM
Jair Bolsonaro acusa governo Dilma Rousseff de tentar legalizar a pedofilia no Brasil; Assista

As ações de segurança serão feitas de maneira conjunta entre órgãos federais e distritais. Os policiais militares farão revistas nos populares em quatro pontos próximos à Rodoviária do Plano Piloto.

trânsito na área Central de Brasília sofreu uma série de modificações. A partir das 8h desta terça, no dia da posse, o bloqueio do Eixo Monumental começará na altura da rodoviária, e segue rumo à Esplanada dos Ministérios, nos dois sentidos.

Neste domingo (30), o governo organizou o último ensaio para a possede Bolsonaro. Durante o treinamento, figurantes ocuparam os lugares que caberão às autoridades, como Bolsonaro, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, o vice-presidente, general Hamilton Mourão, e a mulher dele, Paula.

A expectativa do governo é que de 250 mil a 500 mil pessoas compareçam à cerimônia oficial.

Convidados estrangeiros

De acordo com o Ministério das Relações Exteriores, autoridades estrangeiras comparecerão à posse. Os números atualizados são:

  • 11 chefes de Estado e Governo
  • 3 vice-presidentes
  • 11 chanceleres
  • 18 enviados especiais
  • 3 diretores de organismos internacionais

Roteiro da cerimônia

A cerimônia oficial terá início às 14h45, no horário de Brasília, com o seguinte roteiro:

  • 14h45 – Desfile do cortejo presidencial da Catedral de Brasília ao Congresso Nacional;
  • 14h50 – Chegada do cortejo presidencial ao Congresso Nacional;
  • 15h – Abertura da sessão solene de posse no plenário da Câmara dos Deputados, com discursos de Bolsonaro e dos presidentes da Câmara e do Senado;
  • 15h45 – Término da sessão solene de posse no plenário da Câmara dos Deputados;
  • 16h – Cerimônia de execução do Hino Nacional, seguida de salva de tiros e revista de tropas;
  • 16h15 – Desfile do cortejo presidencial do Congresso Nacional ao Palácio do Planalto;
  • 16h20 – Chegada do cortejo presidencial ao Palácio do Planalto, com a entrega da faixa presidencial;
  • 16h30 – Pronunciamento de Jair Bolsonaro;
  • 17h – Cumprimentos dos convidados internacionais;
  • 17h30 – Cerimônia de nomeação dos ministros de Estado;
  • 18h15 – Fotografia oficial;
  • 18h25 – Desfile do cortejo presidencial, com a faixa presidencial, do Palácio do Planalto ao Palácio Itamaraty;
  • 18h30 – Recepção oferecida por Jair e Michelle Bolsonaro.
VEJA TAMBÉM
Em Davos, Bolsonaro exalta 'resgate da família' e quer Brasil como exemplo para o mundo

Transição

Após a eleição, teve início o período de transição de governo, no qual as equipes do atual e do futuro presidentes trocaram informações sobre o governo federal, contas públicas, projetos em andamentos e sugestões de planejamento.

Ao longo do período de transição, Bolsonaro esteve em Brasília algumas vezes. Nas visitas à capital federal, o presidente eleito reuniu-se com chefes dos poderes da República, das Forças Armadas e com os futuros ministros.

Nesse período, Bolsonaro também anunciou o nome dos ministros que trabalharão no governo. Ao todo, serão 22 ministros – sete a mais do que os 15 anunciados por Bolsonaro durante a campanha. Com informações G1