Da redação

Após repercussões negativas com o ato e problemas constantes nos hospitais, o Governo recontratou centenas de servidores. Foto: Reprodução

O Diário Oficial do Estado divulgado na noite da última terça-feira, 8, trouxe mais de 500 recontratações de profissionais da saúde. A medida foi tomada após a continuidade das reclamações de falta de atendimentos médicos nos hospitais estaduais. Voltam a trabalhar nesta quarta, 9, médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, psicólogos, além de profissionais de outras áreas.

Conforme o documento, a portaria Nº 18/2019, assinada pelo secretário da Administração, Edson Cabral, os nomes que constam no Diário têm exoneração anulada. No dia 1º de janeiro, o Governo exonerou mais de 15 mil servidores, dentre eles 629 médicos, o que ocasionou problemas nos hospitais, com aumento de pacientes e falta de profissionais.

Após repercussões negativas com o ato e problemas constantes nos hospitais, o Governo recontratou 371 médicos, dentre as 2.500 recontratações de temporários no último dia 4, mas as reclamações pela população de que os atendimentos continuavam com muita demora e falta de médicos teve continuidade.

Após crise nos Hospitais, Carlesse publica 2.520 nomeações para a Secretaria da Saúde

O Diário também traz a recontratação de aproximadamente 250 servidores exonerados da Secretaria da Cidadania e Justiça, tendo como base a manutenção de serviços essenciais, especialmente no Sistema Prisional e Socioeducativo.

VEJA TAMBÉM
Pedido de Cassação: Prazo para defesa de Carlesse acaba hoje

Desde a posse do governador Mauro Carlesse (PHS) no dia 1º de janeiro deste ano, uma reforma administrativa era esperada. Ele anunciou que medidas seriam tomadas para reenquadrar o Estado na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), tendo em vista que o gasto com pessoal excede o limite financeiro imposto pela lei.

No entanto, após a exoneração de profissionais em serviços essenciais, como na Saúde, a população enfrenta problemas há uma semana com a falta de médicos nos hospitais. Duas mulheres gravidas chegaram a perder os bebês no final da gestão. A família delas alegaram falta de atendimento médico e demora nos hospitais. O último caso, ocorrido na última segunda-feira, 6, foi registrado na Delegacia para investigação.