Da redação

O empresário Paulo Henrique Sousa é investigado por intermediar o crime — Foto: Divulgação/Polícia Civil

O empresário Paulo Henrique Sousa Costa disse durante o depoimento à Polícia Civil que o vice-prefeito de Novo Acordo, Letim Leitão, ofereceu a ele R$ 6 milhões para que ele assumisse o atentado contra o prefeito da cidade. O valor teria sido combinado antes do ataque e seria uma garantia de que o político estaria protegido caso o atirador fosse preso no dia do crime.

Os investigadores acreditam que o valor seria pago com dinheiro público, através de notas promissórias quando Letim Leitão assumisse o governo da cidade. O titular, Elson Aguiar (MDB), sobreviveu ao ataque e está fora de perigo.

Tanto o vice-prefeito como o empresário estão presos. Além dos dois, também foi detido Gustavo Araújo da Silva, que seria o autor dos disparos.

O plano

O crime teria sido motivado por desentendimentos entre o prefeito e o vice na divisão de propinas. Elson Aguiar teria deixado de repassar a parte de Letim Leitão em um desvio de R$ 800 mil. O plano para matá-lo teria sido criado ainda antes do Natal.

VEJA TAMBÉM
Polícia Civil deve concluir inquérito de atentado a prefeito nos próximos dias

A polícia diz que a primeira investida não deu resultado porque os pistoleiros não conseguiram chegar a cidade. O vice-prefeito teria então contratado um novo executor, que seria Gustavo Araújo. Para localizar Araújo, ele teria recebido a ajuda de Paulo Henrique.

O crime

A família de Elson Lino de Aguiar informou que o ele estava sozinho dentro de casa quando foi alvo do atentado. O imóvel não é murado e a porta da sala estava destrancada. O atirador entrou e disparou contra o prefeito dentro do quarto dele. A vítima conseguiu chegar até a a área externa da residência, onde pediu socorro.

Elson Aguiar levou três tiros, inclusive um na cabeça. Ele sobreviveu e está internado no Hospital Geral de Palmas. Quando tiver alta, deve ser interrogado sobre a suposta propina.

Outro lado

O vice-prefeito negou qualquer participação no crime na saída da delegacia. “Sou inocente. não mandei matar ninguém. Dotozin é meu amigo”, afirmou Leitão. O G1 ainda tenta contato com a defesa dele para comentar as acusações do empresário.

Já o advogado do prefeito Elson Aguiar repudiou a acusação de envolvimento em um esquema de propina na cidade.

VEJA TAMBÉM
Prefeito de Rio da Conceição perde os direitos políticos, mas continua no cargo

“O atual prefeito jamais permitiu qualquer tipo de ato ilícito durante o seu mandato, inclusive, nunca permitiu que se efetivasse qualquer pagamento a fornecedor sem processo licitatório devidamente formalizado”, diz nota enviada pela defesa.

Os outros dois investigados não quiseram falar com a imprensa.

Com informações G1TO