Da redação 

A dívida do Governo do Estado com a empresa de crédito Brasilcard pode já ter chegado à casa dos R$ 23 milhões, segundo informações do presidente do Sindicato dos Servidores Públicos Estaduais do Tocantins (Sisepe-TO), Cleiton Lima Pinheiro. Ele diz que parte deste valor se refere ao final da gestão do então governador Marcelo Miranda (MDB), que gerou um passivo de cerca 11 milhões. Já o restante da dívida teria origem nas gestões do atual governador Mauro Carlesse (PHS).

A parte da dívida imputada ao atual governo inclui o período que Carlesse assumiu o Executivo Estadual, no mês de abril de 2018, em substituição a Marcelo Miranda, que foi cassado acusado de prática de Caixa 2, na Eleição de 2014. Inclui ainda mandato tampão, de junho a dezembro do ano passado e o mandato regular que iniciou no dia 1º deste mês.

Segundo nota enviada pela Secretaria de Estado da Comunicação Social (Secom) a atual gestão vem trabalhando para regularizar a pendência junto a Empresa e está buscando recursos para fazer os repasses necessários.

VEJA TAMBÉM
MPE cobra e Justiça determina novos prazos para que Estado retorne tratamento oncológico em Araguaína

A nota da Secom lembra que o orçamento do Estado para este ano ainda não foi aprovado na Assembleia Legislativa (AL) e alega que a maior parte da dívida teria sido herdada da gestão passada, o que estaria dificultando as negociações.

Desconto em folha

No que pese as alegações do Estado, o presidente do Sisepe-TO reforça que o dinheiro para quitar os débitos com a empresa são descontados todos os meses da folha de pagamento. “O cartão da Brasilcard dos servidores estaduais é uma espécie de adiantamento salarial que é descontado direto na folha. Como o governo não fez o repasse à empresa, o crédito deixou de ser oferecido há dois meses, mas o governo nunca deixou de reter este recurso”, conta Pinheiro.

Ele diz que já se reuniu duas vezes com a Secretaria Estadual de Administração para buscar uma solução. “Na Administração foi feito o que era de competência da Pasta, informando sobre a pendência do Estado com a Brasilcard à Secretaria da Fazenda, que é quem deve quitar os débitos. Então solicitamos uma audiência com o secretário da Fazenda Sandro Henrique Armando, mas ainda não conseguimos retorno”, pontua.

VEJA TAMBÉM
Justiça dá 24 horas para Estado conseguir leitos de UTI, Secretaria irá recorrer

De acordo com dados do Sisepe, em torno de nove mil servidores do Estado utilizam o cartão Brasilcard, com potencial de girar entre R$ 3 milhões e R$ 5 milhões ao mês, por meio deste crédito. “Inclusive, manter o acesso ao cartão bloqueado causa prejuízos ao próprio governo, que deixa de recolher ICMS, decorrente das vendas no comércio de todo o Tocantins”, avalia.

A empresa

Por sua vez, a empresa de crédito Brasilcard informou por meio de nota que já se reuniu algumas vezes com o Governo do Estado para buscar uma solução. Ainda segundo a nota, a empresa segue a espera de uma negociação com a secretaria responsável pelo contrato para que os cartões possam ser liberados. “Até o momento a empresa não recebeu uma proposta de pagamento”, afirma a nota.

Com informações JTo