Da redação JM

A Suprema Corte dos Estados Unidos autorizou, nesta terça-feira, o governo do presidente Donald Trump a impedir a contratação de militares transgênero, à espera de que a Justiça se pronuncie em apelação sobre esta questão delicada. Trump tinha pedido à mais alta instância judicial do país para intervir com urgência antes que os tribunais de primeira instância proibissem seu bloqueio a novas contratações.

O governo tinha argumentado, em nome do presidente, que manter a política de abertura implementada por seu antecessor democrata Barack Obama era “um grande risco para a eficácia e a potência letal dos militares”. Nesta terça, a Suprema Corte decidiu, por nove votos a cinco, suspender as decisões dos tribunais enquanto espera o pronunciamento das cortes de apelação. Os quatro juízes progressistas se opuseram a essa decisão. O presidente Obama tinha previsto que o exército americano começasse a contratar militares transgênero a partir de 2017.

O governo de Trump primeiramente adiou a medida até janeiro de 2018, e, mais tarde, decidiu revisar completamente esta política. O mandatário republicano argumentou sua decisão, em uma sequência de tuítes em julho de 2017, com “a carga dos custos médicos enormes” e as “perturbações”.

VEJA TAMBÉM
‘Somos uma nação de crentes’, diz Donald Trump no Dia Nacional da Oração

Trump prometeu pela primeira vez uma proibição aos membros do serviço militar em um tweet de julho de 2017 no qual ele afirmou que os militares não permitiriam que indivíduos transexuais “servissem de qualquer forma nas Forças Armadas dos EUA”.