Da redação

O Ministério Público Estadual (MPE) quer que concurso da Polícia Militar (PM), que está parado por suspeita de fraude, seja anulado em 15 dias. A recomendação é do procurador geral de Justiça, José Omar de Almeida, e foi expedido nessa sexta-feira (25). O documento aponta que houve quebra de sigilo das provas, o que compromete a credibilidade do certame.

O Governo do Estado informou que após análise fará uma comunicação oficial sobre o assunto. (Veja a nota completa abaixo)

As investigações começaram após a polícia encontrar respostas de prova em celular. A recomendação cita a apreensão de aparelhos celulares nos locais de prova em Palmas e Araguaína e a aponta que 35 números de telefone receberam os gabaritos das provas aplicadas.

De acordo com o relatório, o concurso foi alvo de uma fraude composta por integrantes de vários estados. Para o MPE, “não resta dúvida da impossibilidade de continuidade do concurso público, uma vez que quase 70 mil candidatos foram prejudicados pela divulgação ilícita do gabarito da prova”.

VEJA TAMBÉM
MPE orienta Prefeitura de Palmas sobre regularização de centro comercial popular em Taquaralto

Essa é a segunda recomendação do órgão. Em novembro de 2018 o promotor de Justiça Adriano Neves pediu que o Estado contratasse outra empresa para dar continuidade ao concurso.

Por causa dos problemas e da repercussão, o MPE definiu um prazo de 15 dias úteis para que o governo anule o certame.

O outro lado

“O Governo do Estado do Tocantins informa que foi notificado de recomendação do Ministério Público Estadual sobre a anulação do concurso público da Polícia Militar, no fim da manhã desta sexta-feira, 25.

O documento será analisado pela Secretaria da Casa Civil, Procuradoria Geral do Estado e pelo Comando Geral da Polícia Militar. Após essa análise, o Governo do Estado fará uma comunicação oficial acerca do assunto”.

Com informações G1