MPE quer avaliação sobre a segurança da ponte de Porto Nacional e fala em omissão estatal

O Ministério Público Estadual (MPE), requereu nesta segunda-feira, 29, o cumprimento de uma decisão judicial que obriga o Governo do Tocantins a adotar medidas para garantir a segurança dos usuários que trafegam pela ponte que faz a travessia do rio Tocantins em Porto Nacional. A decisão, já transitada em julgado, atendeu ao pedido de Ação Civil Pública, ajuizada ainda em maio de 2017, em razão das condições precárias da obra, construída há 41 anos.

A decisão expõe que o Estado do Tocantins e a Secretaria de Infraestrutura e Agência Tocantinense de Transportes e Obras terão que atender a diversas obrigações entre elas, a tomada de providências com base nas novas análises técnicas que deverão ser apresentadas, avaliando a necessidade de maiores restrições ao tráfego de veículos sobre a ponte.

Na ação, os promotores de Justiça Vinícius de Oliveira, Márcia Stefanello e Rodrigo Grisi expõem que, no ano de 2011, um laudo técnico apontou aumento significativo de danos na infraestrutura da ponte em relação ao diagnóstico de 2003, situação que levou, na época, à restrição do tráfego de veículos com peso acima de 30 toneladas e limitação de velocidade.

No ano de 2015, o Ministério Público expediu recomendação para realização de nova análise técnica e fiscalização, porém, diante da omissão do Estado do Tocantins, viu-se na obrigação de acionar os responsáveis judicialmente. Os promotores de Justiça destacam, ainda, que o laudo de 2011 enfatizava que a ponte entraria em colapso, em algum momento nos próximos 10 anos, ou seja, a partir de 2020, com aumento de 10% da probabilidade de ocorrência a cada ano.

VEJA TAMBÉM
População de Porto Nacional prepara manifestação para cobrar reforma da ponte

“É lícito concluir que há, no mínimo, omissão estatal em monitorar a segurança da obra e séria possibilidade de risco para usuários, tendo o Estado falhado na garantia da integridade dos cidadãos, apesar de toda a insistência do Ministério Público”, enfatizam os promotores de Justiça.

Demais obrigações

Além de apresentar nova análise técnica, o Estado do Tocantins deverá colocar radares móveis e, posteriormente, radares fixos em toda a ponte, com velocidade máxima de 40 km/h, além de placas de advertência.

Para veículos com peso acima de 30 toneladas, a determinação é que a travessia seja feita por meio de balsas, porém, a concessão de serviços de travessia deverá obedecer aos requisitos legais de processo de licitação. E por último, a Justiça manda ainda reativar as balanças em ambos os lados da ponte. (Denise Soares)

Vereador faz alerta sobre possível desastre em ponte de Porto Nacional

Da Redação JM Notícia

Rachaduras comprometem a segurança de quem passa pela ponte sobre o rio Tocantins, em Porto Nacional (Foto: Gilson Almeida dos Santos/G1)

O vereador Djalma Araújo (PV) fez um importante alerta na manhã desta quarta-feira (30), sobre a ponte do rio Tocantins, na TO-255, em Porto Nacional, a 66 km de Palmas,  que está parcialmente interditada desde setembro de 2011.

“Pode ocorrer um desastre se o Governo não agir para realizar a manutenção da ponte, durante o trajeto de algum usuário da via. Penso que o Governo Municipal precisa se mobilizar também para ir atrás do resultado”, disse Djalma Araújo ao JM Notícia.

VEJA TAMBÉM
Sine intermediará até 400 vagas para construção da ponte de Porto Nacional

O parlamentar ressaltou que o Governo não precisa esperar pela tragédia para pode tomar uma atitude: “Vou protocolar um ofício ao Governo do Tocantins pedindo explicações sobre a reforma da ponte”, disse o vereador.

Djalma Araujo é vereador em Porto Nacional

O ex-secretário de comunicação da prefeitura de Porto Nacional, Edvaldo Rodrigues, afirmou ainda em 2013, que o município tinha conhecimento de que a ponte está condenada, no entanto, ele afirmou na época, que a responsabilidade é do Governo do Tocantins.