Da redação JM

A figura do vice-presidente Hamilton Mourão tem ganhado críticas dos conservadores devido algumas declarações que destoam do presidente Jair Bolsonaro. A última agora foram dadas para Rede Globo.

O vice-presidente, General Hamilton Mourão (PRTB), recebeu quatro repórteres do jornal O Globo nesta quinta-feira (31), “um dia após deixar a Presidência”, e disse que pode “cooperar para baixar as tensões”. “O vice-presidente é uma pessoa permanente no governo. Ele só sai se ele pedir para sair. Os ministros poderão ser trocados eventualmente”.

“Se dependermos de Mourão, em menos de um ano a quadrilha petista estará no poder”, diz Olavo de Carvalho

Mourão falou de diversos assuntos, muitos deles espinhosos para a posição conservadora de Bolsonaro, e mostrou sua “resiliência de militar” para explicar seu trânsito em áreas sensíveis ao capitão da reserva.

O presidente Bolsonaro tem o estilo dele, característico. Ele construiu uma vida política de 30 anos em cima disso aí. É totalmente diferente de mim. Eu tive uma vida dentro do Exército, ocupei funções que me exigiram lidar com uma gama de pessoas totalmente distintas, comandei muita gente, então me leva a ter um estilo diferente de lidar”, disse.

VEJA TAMBÉM
Marco Feliciano pode ser vice de Bolsonaro na chapa presidencial em 2018

Bolsonaro afirma: “Se Congresso aprovar projeto sobre aborto, eu veto”

Mourão se colocou “pessoalmente” à favor de uma ampliação das possibilidades de aborto – hoje restrita a poucos casos, como o de estupro – e disse que a questão é uma decisão da mulher.

A questão do aborto também é algo que tem que ser bem discutido, porque você tem aquele aborto onde a pessoa foi estuprada, ou a pessoa não tem condições de manter aquele filho. Então talvez aí a mulher teria que ter a liberdade de chegar e dizer “ preciso fazer um aborto”, disse, ressaltando que “minha opinião como cidadão, não como membro do governo, é de que se trata de uma decisão da pessoa”.

Mourão também disse ser um “conservador” em relação à proposta de Bolsonaro de mudar a embaixada brasileira em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. “Eu sou conservador. Fica onde está”, disse.