Da redação JM

A pastora Juliana Pereira Salles Alves chegou ao Fórum Desembargador Mendes Wanderley, em Linhares, na manhã desta terça-feira (05), por volta das 9h05. Ela e o marido, Georgeval Alves Gonçalves, conhecido como pastor George, que chegou dez minutos após a esposa em uma viatura da Secretaria de Justiça, foram convocados pelo juiz para mais uma audiência de instrução sobre as mortes dos irmãos Kauã Salles Butkowski, de 6 anos, e Joaquim Salles Alves, de 3 anos.

Serão ouvidas cinco testemunhas, sendo quatro de acusação e uma de defesa. O advogado Siderson Vitorino, que atua como assistente de acusação, afirmou que a expectativa é de que as testemunhas corroborem com a culpa de George e o envolvimento de Juliana no crime. “Até as testemunhas de defesa têm corroborado com isso”, destacou.

Siderson ainda ressaltou que a família de Rainy Butkovski, pai de Kauã, está indignada com a soltura de Juliana, que aconteceu no último dia 31 de janeiro. “A liberdade da Juliana pode atrapalhar provas do processo e testemunhas. A lei determina que casos cometidos contra membros da família a regra é a prisão preventiva, a soltura dela desafia o Código de Processo Penal”, lamentou.

VEJA TAMBÉM
Todas as vítimas do incêndio no CT do Flamengo são identificadas; veja quem são

Além das audiências realizadas em Vitória e Linhares, o advogado contou que aconteceram outras em Governador Valadares e Teófilo Otoni, em Minas Gerais, onde testemunhas foram ouvidas por meio de carta precatória.

Mais duas audiências serão feitas em Linhares, nos dias 12 e 19 deste mês. “A expectativa maior é pelas oitivas de Juliana e George, que serão ouvidos no dia 19. Os dois têm muito a explicar. George precisa explicar como o PSA dele estava dentro dos meninos e Juliana tem que detalhar como deixou os filhos nas mãos dele sabendo de todos os riscos que corriam”, questionou.