Da redação JM

Wilson José da Silva, evangélico de 53 anos, tornou-se conhecido, quando um vídeo em que aparecia cantando ao lado de outros funcionários da Vale nos vestiários da empresa viralizou. O operador de máquinas era conhecido pela sua fé e teve o corpo identificado após mais de duas semanas do rompimento da barragem.

Casado com Aparecida e sem filhos, Wilson cantava a música “Noites traiçoeiras” com os colegas semanas antes do acidente em Brumadinho. A família de Wilson não sabe confirmar a data exata da gravação, mas afirma que o vídeo não foi filmado no dia do rompimento da barragem.

Carlos Eduardo recebeu a filmagem no fim de semana seguinte à tragédia.  “É meu tio no vídeo. São os olhos dele É de semanas anteriores à tragédia. Um amigo mandou pra gente, ele tinha gravado e nos mandou para consolar a família, ver a felicidade dele no trabalho”, conta Carlos Eduardo, sobrinho de Wilson.

“Ele sempre foi amado por todos. O carinho que ele tinha pelas pessoas era fora do comum. Ele era amado e amava muito o que fazia. Sempre comentou que o sonho dele era trabalhar ali (na Vale). Ele achava pouco o que ele fazia. Queria sempre mais. Falava que aquilo era uma família. Era sua segunda família. Infelizmente teve esse acontecido”, diz Carlos Eduardo.

VEJA TAMBÉM
Convenção Batista Brasileira lamenta tragédia em Brumadinho e pede "providências das autoridades"

Wilson não era o único da família a trabalhar na Vale. Alejandro Braga, pai de Carlos Eduardo, também é funcionário da Vale, assim como outros familiares do sobrinho de Wilson. Alejandro trabalhou na noite anterior ao rompimento da barragem, e deixou a Vale na manhã do acontecido, quando trocou de turno com seus companheiros.

Companheira de trabalho de Wilson José por três anos, a ex-funcionária da Vale Mirian Amorim, de 36 anos, lembra com carinho do colega religioso e de bom coração. Com a voz embargada, a operadora de equipamentos e caminhões contou que o amigo era chamado de “Camarguinho” pelos colegas. “Lá a gente não podia fazer café. Era uma norma de segurança. Ele (Wilson) buscava café para todos. Era o ‘amigo do café’. Distribuía café para todos e levava lanches de casa para o pessoal”, conta Mirian.