Da redação JM – Ricardo Costa

Tânia Leme de Almeida, Secretária de Educação Básica do MEC. Foto: Reprodução

O juiz de direito da 3º Vara Cível de Araguaína, Álvaro Nascimento Cunha, entrou com um pedido junto ao Ministério da Educação para que este intervenha contra a resolução do CEE que incluiu a ideologia de gênero no currículo escolar infantil do estado do Tocantins.

O juiz afirma que o documento vai na contramão do Governo Jair Bolsonaro, do Congresso Nacional e da Assembleia Legislativa do Tocantins que “rejeitaram a doutrinação das crianças e jovens brasileiros.”

O ofício é destinado à doutora Tânia Leme de Almeida, Secretária de Educação Básica do Ministério da Educação, órgão comandado pelo Ministro Ricardo Vélez Rodríguez. No ofício, Álvaro Nascimento Cunha cita o portal JM Notícia, responsável pela matéria que alertou sobre a inclusão da ideologia de gênero no currículo escolar infantil do Tocantins.

O juiz diz que o CEE publicou a Resolução “justamente para que estas mesmas crianças e jovens transgridam as concepções de homem e mulher e, por consequência, aceitem a ideia de que o gênero é culturalmente arquitetado.

VEJA TAMBÉM
"Meninos e meninas já vêm com ‘carimbo de Deus entre as pernas", diz deputado pastor Isidório

Líderes evangélicos do Tocantins repudiam Resolução do CEE que inclui ideologia de gênero na educação infantil

Para o magistrado, o documento busca ainda implementar a ideologia de gênero com o “velado escopo de prestar-se como agenda ideológica.”

Confira na íntegra:

URGENTE: Tocantins contraria MEC e aprova ensino da ideologia de gênero no ensino infantil e fundamental