Da redação JM – Ricardo Costa

Tânia Leme de Almeida, Secretária de Educação Básica do MEC. Foto: Reprodução

O juiz de direito da 3º Vara Cível de Araguaína, Álvaro Nascimento Cunha, entrou com um pedido junto ao Ministério da Educação para que este intervenha contra a resolução do CEE que incluiu a ideologia de gênero no currículo escolar infantil do estado do Tocantins.

O juiz afirma que o documento vai na contramão do Governo Jair Bolsonaro, do Congresso Nacional e da Assembleia Legislativa do Tocantins que “rejeitaram a doutrinação das crianças e jovens brasileiros.”

O ofício é destinado à doutora Tânia Leme de Almeida, Secretária de Educação Básica do Ministério da Educação, órgão comandado pelo Ministro Ricardo Vélez Rodríguez. No ofício, Álvaro Nascimento Cunha cita o portal JM Notícia, responsável pela matéria que alertou sobre a inclusão da ideologia de gênero no currículo escolar infantil do Tocantins.

O juiz diz que o CEE publicou a Resolução “justamente para que estas mesmas crianças e jovens transgridam as concepções de homem e mulher e, por consequência, aceitem a ideia de que o gênero é culturalmente arquitetado.

VEJA TAMBÉM
Centro de Línguas da Seduc abre, no próximo dia 20, inscrições para cursos de Inglês e Espanhol

Líderes evangélicos do Tocantins repudiam Resolução do CEE que inclui ideologia de gênero na educação infantil

Para o magistrado, o documento busca ainda implementar a ideologia de gênero com o “velado escopo de prestar-se como agenda ideológica.”

Confira na íntegra:

URGENTE: Tocantins contraria MEC e aprova ensino da ideologia de gênero no ensino infantil e fundamental