Da redação JM

Celso de Mello, ministro decano do Supremo Tribunal Federal (STF), usou a filosofia feminista para fundamentar seu voto, na tarde desta quinta-feira (14), no segundo dia de julgamento de ações que pedem a criminalização da homofobia. No primeiro dia do julgamento, advogados contra e a favor das ações sustentaram suas posições na tribuna e, nesta quinta (14), os ministros iniciaram a leitura de seus votos.

O primeiro foi Celso de Mello, que resgatou uma fala da feminista e disseminadora da ideologia de gênero, a francesa Simone de Beauvoir: “Não se nasce mulher, torna-se mulher”, disse, sinalizando voto em acordo com a comunidade LGBT.

Líderes evangélicos do Tocantins repudiam Resolução do CEE que inclui ideologia de gênero na educação infantil

Ao longo de seu discurso, o ministro falou ainda sobre a importância do reconhecimento da identidade de gênero. “Reconhecimento da identidade de gênero pelo Estado é de vital importância para reconhecimento dos direitos humanos das pessoas transgêneros”, disse. “Determinados grupos políticos e sociais, inclusive confessionais, motivados por profundo preconceito vêm estimulando o desprezo, promovendo o repúdio e disseminando o ódio contra a comunidade LGBT. Esses grupos estão buscando embaraçar, quando não impedir, o debate público em torno da transexualidade e homossexualidade por meio da arbitrária desqualificação dos estudos e da inconcebível negação da consciência de gênero, reduzindo-os à condição subalterna de mera teoria social”, completou.

VEJA TAMBÉM
Congresso para Formação de Líderes de Ministério Infantil será em Paraíso nos dias 12 e 13 de dezembro

Sem citar a ministra Damares Alves, o decano também criticou a tese de que “meninas usam rosa e meninas usam azul”. De maneira achincalhada, o ministro atacou até mesmo os setores que criticam a nefasta ideologia de gênero.

“Versões tóxicas da masculinidade e feminilidade acabam gerando agressões a quem ousa delas se distanciar no seu exercício de direito fundamental e humano ao livre desenvolvimento da personalidade, sob o espantalho moral criado por fundamentalistas religiosos e reacionários morais com referência à chamada ideologia de gênero”, disparou.