Por Wagner Hertzog

Quem realmente conhece as profecias bíblicas, sabe que vivemos nos últimos dias do satânico sistema de coisas, o período final que antecede a grande tribulação, o que é muito bem descrito no livro de Revelação, o último livro da Bíblia. A perseguição global a cristãos atesta isso perfeitamente; usualmente inflamada pela retórica agressiva da autoritária ideologia progressista – a ponta-de-lança da cristofobia – que tenta, por enquanto de formas relativamente sutis, extirpar o cristianismo da sociedade contemporânea, para constituir um estado secular ateu.

Atualmente, o governo chinês – que, sem dúvida nenhuma, pode ser classificado como a mais brutal e opressiva ditadura que há no mundo – está ardorosamente empenhado em erradicar todas as religiões que existem no seu território. Evidentemente, os cristãos entraram na mira do despótico governo do autoritário e maléfico tecnocrata Xi Jinping. O governo chinês pretende reescrever e reinterpretar a Bíblia, pois o livro sagrado é considerado incompatível com os ideais do socialismo. Há um plano do governo chinês em andamento de reestruturar e reformular o cristianismo dentro de cinco anos, para deixá-lo de acordo com a doutrina socialista.

Acordo entre Vaticano e China é ‘traição’ a ​​milhões de cristãos, alertam lideranças

As políticas altamente restritivas e autoritárias do governo chinês sobre organizações religiosas aumentaram de forma excepcional recentemente. Igrejas, templos e congregações estão sendo demolidos, símbolos cristãos estão sendo arbitrariamente removidos, e elementos patrióticos e nacionalistas estão sendo compulsoriamente instaurados nos cultos religiosos. Hastear a bandeira, cantar o hino nacional e entoar cânticos comunistas fazem parte de um conjunto de imposições governamentais que gradualmente estão tomando conta das igrejas na China.

VEJA TAMBÉM
Guerra comercial entre potência provocará perdas mundiais de até US$ 430 bi

Retrocesso monumental para as liberdades individuais – que deveriam ser sagradas e invioláveis – o reverendo Bob Fu, que mora nos Estados Unidos, afirma que “a liberdade religiosa na China chegou realmente ao pior nível, que não é visto desde o início da Revolução Cultural pelo presidente Mao Zedong, nos anos 1960”. E isso certamente servirá de pretexto para que o estado avance com legislação autoritária sobre a sociedade de forma cada vez mais agressiva e despótica.

Igrejas recebem ultimato na China: renda-se a rede comunista ou seja fechada

Evidentemente, o cristianismo não é a única religião na mira das perseguições, arbitrariedades e regulamentações do Partido Comunista. Todas as organizações religiosas estarão sujeitas às exigências autoritárias dos autocratas e dirigentes governamentais, que pretendem criar um estado político compulsoriamente ateu. Um estado que se dispõe a usurpar o lugar do Deus verdadeiro, para receber a adoração e obediência exclusivas que são devidas unicamente a ele. Quem está por trás desta depravação é Satanás, o Diabo, que manipula governos para fazerem a sua vontade, com o objetivo de promover coercitivamente o estado como um novo deus. Sem dúvida nenhuma, o estado é um “deus” moderno, usado pelo Diabo para afastar as pessoas da adoração verdadeira.

VEJA TAMBÉM
China está retirando órgãos de prisioneiros cristãos ainda vivos, denunciam médicos

Não importam as circunstâncias, os cristãos devem permanecer leais ao Criador. Como o próprio Cristo advertiu, a lealdade exclusiva a Deus iria despertar o ódio e a animosidade de inúmeros opositores. “O escravo não é maior do que o seu amo. Se me perseguiram a mim, perseguirão também a vós; se observaram a minha palavra, observarão também a vossa. Mas, farão todas estas coisas contra vós por causa do meu nome, porque não conhecem aquele que me enviou.” (João 15:20, 21).

Isto não deve ser surpresa nenhuma. Cristo exortou, prudentemente: “Sereis pessoas odiadas por todas as nações.” (Mateus 24:9) De maneira que a situação mundial – e a hostilidade geral contra cristãos – ainda deve piorar e muito. O que estamos vivenciando é apenas um “princípio das dores de aflição”. O pior ainda está por vir. E embora circunstâncias difíceis acabem por testar a nossa fé, não devemos jamais esmorecer.Estes dias turbulentos e trágicos eventualmente convergirão para a grande tribulação, que invariavelmente chegará a um fim. Ao suportar as aflições que mundanos apartados do Deus verdadeiro nos obrigam a enfrentar, devemos nos lembrar que todas estas dificuldades são passageiras. “Tudo posso naquele que me fortalece”. (Filipenses 4:13).

Outros artigos do autor

Perseguição a cristãos – Por que a mídia tradicional é tão displicente?

Cristãos não devem ser socialistas, muito menos comunistas

O caráter insurgente do Boko Haram