Da redação JM

Carolina Patalano é médica neurocirurgiã. Aos 32 anos, ela se lembra de como Deus a conduziu para seguir essas profissão. Desde pequena, por viver em um lar cristão, a oração foi sua aliada. “Eu estava no ensino médio e, certo dia, com minha mãe, oramos pedindo ajuda a Deus para que me mostrasse que curso eu deveria fazer. Foi então que pensei em Medicina”, afirma.

Atualmente, ela trabalha no Hospital Fiorito de Avellaneda, em Buenos Aires, Argentina. Lá dedica alguns minutos para orar por e com seus pacientes. “Sempre pergunto à pessoa se quer que eu ore por ela. Ainda não encontrei alguém que recusasse a oração. As pessoas sempre ficam agradecidas e surpresas ao ver um médico orar por elas”, conta a profissional de saúde.

Uma das experiências vividas pela médica ocorreu em seu plantão. Ela atendeu a um paciente com uma doença terminal que seria submetido a um procedimento. “Nesse momento, depois de atende-lo, de ter falado com ele, ofereci uma oração. Ele me respondeu que estava amargurado com Deus devido ao que lhe acontecera na vida. Porém, aceitou que eu orasse. Então, o vi mudar totalmente. Sua atitude mudou para tranquilidade e paz. Uma mudança de 180 graus”, relembra.

VEJA TAMBÉM
Convenção Batista Brasileira convoca evangélicos para campanha de jejum e oração pelo Brasil
Doutora Carolina (esquerda) com a sua chefe, que lhe pediu para que orasse com um paciente que havia solicitado esse favor (Foto: Arquivo pessoal)

“Então, todas as semanas que vinha em meu plantão, pedia que eu orasse por ele e pediu que lhe presenteasse com uma Bíblia. Cultivamos uma certa amizade, até que certo dia, fiquei sabendo de seu falecimento”, emociona-se. “Muitas vezes, o prognóstico não é o melhor, mas o importante é que nós, médicos, façamos o acompanhamento”.

Efeitos da oração

Outra ocasião em que a oração foi importante para os pacientes da médica foi quando ela atendeu a um ateu. “‘Sou ateu’, ele me disse. ‘Mas se você quiser, faça a oração’. Então eu orei e nos despedimos. Na semana seguinte, ele passou por mim no hospital e me disse que lhe aconteceram muitas coisas e que, desde então, cria em Deus”, explica, demonstrando surpresa. “Evidentemente, lhe ocorreram coisas que lhe mostraram, de acordo com sua lógica, que Deus existia.”

Para a doutora Carolina, orar com os pacientes é importante. Ela dá ênfase a alguns estudos científicos a respeito dos benefícios advindos da oração para eles. “Nessas pesquisas foi descoberto que a oração melhora a qualidade de vida, diminui os níveis de estresse, de ansiedade e de desesperança. São benéficos à saúde mental que repercutem na saúde física. Faz bem ao paciente lhe dar essa atenção”, garante.