Da redação JM

A 4ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro julgou como improcedente os pedidos de Rejane Silva, ex-backing vocal de Aline Barros, em 31 de janeiro, no processo que movia contra a cantora.

A backing vocal entrou na Justiça Trabalhista pedindo indenização de R$ 1 milhão, alegando que foi demitida por ser gay. Além disso, dizia que não recebeu os direitos trabalhistas por dez anos (2005-2015).

Na audiência de agosto de 2018, Gilmar dos Santos, sócio e marido da cantora gospel, compareceu e “negou tudo” em depoimento.

Aline Barros, Fábio de Melo e Damares: veja programação completa do Capital da Fé

Em nota oficial enviada nesta quinta (28), a assessoria de Aline escreveu:

Comunicamos que após oferecer todas as informações e provas solicitadas nos autos daquela ação judicial, no dia 31/01/2019, o excelentíssimo Juiz da 4ª Vara do Trabalho proferiu sentença através da qual julgou IMPROCEDENTES TODOS OS PEDIDOS FORMULADOS PELA SRA. REJANE, condenando-a, inclusive, ao pagamento de custas judiciais e expressivos honorários advocatícios sucumbenciais, algo que pode ser facilmente verificado através de simples consulta feita junto ao site do TRT da 1ª Região.”

VEJA TAMBÉM
Aline Barros conquista seu 7º prêmio Grammy Latino

O valor das custas foi calculado em torno de R$ 20 mil.

O texto enviado pela cantora diz ainda que Rejane abriu mão de recurso. Por isso, o processo foi arquivado de forma definitiva. Porém, o advogado da funcionária disse que ainda vai recorrer da decisão.