Da redação JM

A secularização que invade algumas denominações evangélicas do país avança a cada ano. E agora nessa época de carnaval é mais frequente encontrar representantes evangélicos nos grandes carnavais.

O primeiro bloco de Carnaval evangélico de São Paulo vai para a festa ao som de músicas gospel no ritmo de samba. Para Silvia Fagá, uma das fundadoras, a missão do bloco representa o chamado de Deus para os cristãos “IDE é ir pra rua, pregar o evangelho, amar e levar a paz ao próximo. Normalmente, os evangélicos ficam mais reclusos no Carnaval por não se encaixarem na forma como as pessoas celebram a data ou com medo de pecarem. Vamos levar a mensagem de Deus para as ruas e ainda assim mostrar que somos alegres e divertidos”.

Bolsonaro vai cancelar o carnaval e a parada gay? Saiba a verdade

Em sua estreia, o IDE traz um samba-enredo que aborda a história de Jesus, criado por três personagens famosos no mundo do samba: o bispo e intérprete Glauco Leão, que já foi passista da escola de samba Mangueira; Dymys Gil, ex-membro do grupo de pagode 100 Compromisso carinhosamente conhecido como pastor do samba; e Daniel Renovado, renomado cantor e compositor gospel.

VEJA TAMBÉM
Clipe de "Ninguém explica Deus" ultrapassa 200 milhões de visualizações no Youtube

O samba é pouco escutado nas igrejas. As mais jovens já aceitam o movimento, já nas mais tradicionais ainda há uma certa resistência. Na África, as músicas dos cultos refletem a cultura deles e aqui quase não usamos o nosso ritmo mais tradicional, o samba. Nosso bloco é um marco nesse sentido”, explica Fagá.