Da redação JM

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta quinta-feira (28) que durante sua viagem a Israel o governo “talvez” anuncia a abertura de um escritório de negócios em Jerusalém. Bolsonaro embarca no sábado (30).

O presidente deu a declaração durante cerimônia em que recebeu a medalha da Ordem do Mérito Judiciário Militar. A solenidade foi realizada no Clube do Exército nesta manhã

Perguntado sobre a mudança da embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, Bolsonaro disse que o presidente americano Donald Trump demorou noves meses para tomar a decisão.

Brasil ainda estuda transferência da embaixada em Israel para Jerusalém, diz Araújo

Mourão diz que aborto é “decisão da pessoa” e que não mudaria embaixada para Jerusalém

“O Trump levou nove meses para decidir, para dar a palavra final para que a embaixada fosse. Nós talvez abramos um escritório de negócios em Jerusalém”, disse, o presidente.

A mudança de embaixada para Jerusalém é polêmica, porque, na prática, o governo reconhece Jerusalém como capital israelense, o que também é reivindicado pelos palestinos. A comunidade internacional, por sua vez, não reconhece a reivindicação israelense de Jerusalém como sua capital indivisível.

VEJA TAMBÉM
Michelle e Bolsonaro agradecem orações: "Protegido pelo sangue do Cordeiro"

“Muita Coisa nós já começamos a votar de acordo com a verdade na ONU. Israel, Estados Unidos, Brasil. Mais alguns países começaram a votar diferentemente da forma tradicional, que é do lado da Palestina, por exemplo”, afirmou.

Promessa

A mudança da embaixada para Jerusalém foi promessa de campanha de Jair Bolsonaro, mas até agora o presidente ainda não deu nada por definitivo.

Ainda em janeiro, o deputado federal Takayama falou ao JM Notícia sobre a possibilidade de o Governo não realizar essa mudança.

O deputado pastor Takayama, que era líder da Frente Evangélica na Câmara dos Deputados, afirmou que toda bancada evangélica e católica tem a convicção de que a mudança deve ser realizada, mas que motivado por “questões práticas” apontadas pela equipe de governo, Bolsonaro poderia não mais realizar a transferência.