Bolsonaro apoia construção do Terceiro Templo em Jerusalém

O governante brasileiro expressou seu apoio à construção do Terceiro Templo na cidade que é considerada a "eterna e indivisível capital israelense"

0

Da redação 

Bolsonaro assina livro em expressão de apoio à construção do Terceiro Templo em Jerusalém. (Foto: PM of Israel)

O presidente Jair Bolsonaro expressou claramente seu apoio à soberania israelense sobre Jerusalém — inclusive na Cidade Velha — quando visitou o Muro das Lamentações, um dos locais mais sagrados do judaísmo, junto ao primeiro-ministro, Benjamin Netanyahu. O governante brasileiro expressou seu apoio à construção do Terceiro Templo na cidade que é considerada a “eterna e indivisível capital israelense”.

Na última segunda-feira (1), ele entrou para a história do moderno Estado judeu ao se tornar o primeiro líder mundial a visitar o Muro das Lamentações junto com um primeiro-ministro israelense. Na ocasião, Bolsonaro aproveitou para fazer um pequeno, mas significativo pedido.

Fundo do governo de Israel poderá financiar Terceiro Templo

Israelitas se preparam para atuar no Terceiro Templo, em Israel

“Deus, olhe pelo Brasil”, orou o presidente.

Terceiro Templo

Após a colocar o pedido por escrito no Muro — ato simbólico realizado por cristãos e judeus do mundo inteiro ao visitarem o local sagrado — Bolsonaro acompanhou Netanyahu em uma caminhada pelos túneis rumo à sinagoga, localizada 20 metros abaixo do ponto onde os judeus acreditam ser o Santo dos Santos do templo construído por Salomão. No local, Bolsonaro assinou na presença do premiê israelense um livro como forma de apoio à construção do Terceiro Templo em Jerusalém.

VEJA TAMBÉM
Juiz determina que Adélio Bispo não pode ser punido por facada em Bolsonaro por ter doença mental

“Quando se assina um livro em que há um projeto de construção de um templo onde hoje é uma mesquita, é uma sinalização de qual é o elemento político-ideológico do presidente Bolsonaro”, disse o senador Flávio Bolsonaro, explicando a simbologia do ato.

Além de assinar o livro, o presidente brasileiro também conheceu outros pontos da sinagoga, como por exemplo a maquete do Terceiro Templo.

Bolsonaro conhece maquete do Terceiro Templo, em Jerusalém. (Foto: PM of Israel)

Oposições

Em governos anteriores (liderados pelo PT), Lula e Dilma menosprezaram a relação com Israel e acenaram para um apoio à Palestina. Mas o ato de Bolsonaro marca uma significativa mudança na postura do Brasil com relação a este tema e contraria à própria conduta da ONU, que aprovou nos últimos anos, resoluções que negam a relação de judeus com locais sagrados em Jerusalém.

A comunidade internacional afirma que Jerusalém Oriental é um “território ocupado” e deve fazer parte dos limites finais de um Estado palestino. Isso inclui os locais mais sagrados do judaísmo: o Monte do Templo e o Muro das Lamentações adjacente.
O Monte onde Israel pretende construir o Terceiro Templo também local é o local mais sagrado do Islã, conhecido pelo nome árabe Al-Haram Al-Sharif.

VEJA TAMBÉM
Bolsonaro vem a Palmas nesta quinta (12) para lançamento do programa 'Governo Municipalista'

A comunidade internacional não reconheceu a anexação da Jerusalém Oriental por Israel em 1980 — nem, de fato, afirma que Israel tem soberania sobre Jerusalém Ocidental, que mantém desde 1948.

(Com Jerusalem Post/Guiame)

google.com, pub-9459345976355950, DIRECT, f08c47fec0942fa0 smartadserver.com, 3563, RESELLER beachfront.com, 13749, RESELLER, e2541279e8e2ca4d advertising.com, 28458, RESELLER admanmedia.com, 556, RESELLER